A contradição de Sartre

Para o filósofo Jean Paul Sartre, questões de ética eram irrelevantes. Se determinada ação demandava algum componente ético, era na prática da escolha que isso ocorria, e não numa decisão moral subjacente. Esse ponto de vista atraiu uma atenção considerável. Foi então que o pensador assinou o Manifesto da Argélia, em protesto contra a persistente ocupação francesa naquele país. A realidade da vida colocou em xeque seus conceitos éticos.

Vejamos o que nos diz Francis Schaeffer sobre a atitude de Sartre:

“Sartre assumiu uma posição deliberadamente ética e declarou que a guerra era sórdida e injusta. Seu posicionamento político de esquerda é mais uma manifestação da mesma incoerência. No que diz respeito aos demais existencialistas de linha secularista, o apoio de Sartre ao Manifesto da Argélia fez dele um apostata, o que lhe custou a liderança do movimento de vanguarda”.

Deste modo, Schaeffer chama a atenção para o fato de que Sartre e outros niilistas “são incapazes de conviver com as conclusões do seu próprio sistema”. Para um maior entendimento da contradição niilista leia:

https://exateus.com/2015/09/05/a-inviabilidade-do-niilismo/

Referência

Apologética cristã no século XXI. Alister Mcgrath

Anúncios

Um comentário sobre “A contradição de Sartre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s