Victório Galli quer CPI para investigar doutrinação ideológica do MEC

Victório Galli quer CPI para investigar doutrinação ideológica do MEC

Por Jarbas Aragão / GospelPrime

O deputado Victório Galli (PSC/MT) é cristão e, portanto, está preocupado com as tentativas de doutrinação de cunho marxista nas escolas do Brasil. Historicamente, essa ideologia é ateísta e contraria vários princípios da moral judaico-cristã. Por isso, o parlamentar de Mato Grosso trabalha para implantar a “CPI do MEC”.

A Comissão Parlamentar de Inquérito proposta por ele visa mostrar aos brasileiros como a presidente Dilma, junto com o Ministro da Educação, tem dado um viés político-ideológico ao material distribuído nas escolas públicas do país.

Diante dos seguidos escândalos que envolvem o atual governo, incluindo suas ligações com dirigentes de outros países, ficou evidente a tentativa de, sob o titulo de “bolivarianismo”, reprisar na América Latina estratégias usadas por governos comunistas no passado.

O parlamentar já entrou com o requerimento para a implantação da CPI do MEC na Câmara dos Deputados. São necessárias 170 assinaturas para que ela seja criada. Galli iniciou a coleta dessas assinaturas pelo PSC, ao qual está ligado. Imediatamente recebeu apoio de deputados como Jair Bolsonaro e Marco Feliciano.

O deputado Galli já procurou as frentes Evangélica e Católica da Câmara. Ele entende que “a cultura e a educação brasileira sairão fortalecidas” com essa investigação. A proposta também foi bem recebida por deputados de outras legendas, que manifestaram seu apoio por estarem igualmente preocupados com o tema.

O objetivo da CPI é investigar mudanças realizadas no currículo escolar durante os últimos anos. Entre os assuntos defendidos pelo Ministério da Educação, estão bandeiras defendidas pela militância LGBT, como a ideologia de gênero.

Embora o PT e os partidos de sua base estejam enfraquecidos por conta do processo de impeachment, ainda existe um “avanço do anticristianismo e do marxismo, conduzidos de forma planejada e acelerada”, asseverou.

Galli é incisivo: “Trata-se de algo tão importante a ser combatido quanto a corrupção no Brasil”. Ele não tem dúvidas que “já passou da hora de frearmos a doutrinação de nossas crianças, que são educadas para se tornarem militantes de esquerda. Precisamos formar cidadãos responsáveis, não militantes”.

Via de regra, a linguagem escolhida pela militância de esquerda é que as escolas precisam combater os “preconceitos”. Embora o deputado não negue que isso deva ser feito, denuncia que os métodos adotados pelo governo atual são segregacionistas, pois excluem todo o restante da população das discussões e decisões.

“Toda a sociedade deve participar, visto que o preconceito é contra evangélicos, contra padres, gordinhos, magrinhos, crianças que tem dificuldade na aprendizagem, etc. Não é um problema sofrido somente por um determinado grupo social”, justifica.

O deputado Galli finaliza dizendo que os partidos de esquerda julgam-se “donos da verdade… sem respeitar sua liberdade de escolha, em especial ferindo de morte a família, a célula-mãe de qualquer sociedade”.

Anúncios

Um comentário sobre “Victório Galli quer CPI para investigar doutrinação ideológica do MEC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s