Deputado Galli critica postura pró-LGBT do governador do MT

Deputado Galli critica postura pró-LGBT do governador do MT

Por Jarbas Aragão /GospelPrime

Com a saída de Dilma Rousseff do poder, a luta contra a imposição da chamada ideologia de gênero ficou mais acirrada no nível estadual. Diversos governadores têm anunciado que manterão (e ampliarão) as chamadas “conquistas” dos movimentos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros).

O problema é que isso mostra claramente que se está privilegiando uma parcela da sociedade em detrimento do todo.

No Mato Grosso, o governador Pedro Taques (PSDB) assinou um decreto que visa regulamentar a criação de um grupo de combate a homofobia. Ligado à Secretaria de Segurança Pública, seu objetivo é investigar crimes cometidos contra homossexuais.

A justificativa para tal foi relatórios que apontam 318 assassinados de LGBTs em todo o país ano passado. Embora o estudo revela que foram 6 mortes em Mato Grosso, o governo do estado insiste que foram 53 casos de violências considerados homofóbicos.

O deputado federal Victório Galli (PSC/MT) criticou a decisão, defendendo ser “fundamental um debate com a sociedade”. Para ele, embora seja justo que se investiguem e punam todas as mortes e violências, “Devemos tratar de políticas sociais de forma global e, não podemos entrar em questões ideológicas e fomentar a luta de classes, segregando e fragmentando a sociedade numa eterna luta social”.

Galli acredita que existia até recentemente uma forte pressão do Governo Federal, desde o início da gestão do PT, para que os governos estaduais fomentassem políticas pró-LGBTs. Portanto, o parlamentar crê que este assunto deveria parar de ser tratado no campo ideológico. Sugere a criação de um “Conselho para o Combate à Violência”, que discutiria de forma ampla e igualitária as políticas para toda população.

Para embasar sua postura, cita um estudo realizado pelo Governo Federal sobre a criminalidade no Brasil. Os dados presentes no chamado Mapa da Violência mostram que “Os números recordes relacionados à violência no país atingem todos os brasileiros, não apenas um grupo social específico”.

Para efeitos de comparação, é sabido que o Brasil ocupa o alto do ranking mundial de violência, com 64,3 mil pessoas assassinadas anualmente.

Sem menosprezar a vida dos que foram mortos “em nome do preconceito”, o deputado cristão lança um questionamento: “O problema do Brasil é a “homofobia” ou um sistema de segurança pública falido? Qual política pública está sendo aplicada para diminuir os altos índices de homicídio?”.

Ele, que é um crítico contumaz da gestão petista, afirma que “Os relatórios do Governo Federal sobre violência são confusos. Somente é possível fazer destaques aos estudos, cruzando os dados dos vários anos. São materiais que precisam ser feitos com mais seriedade e isenção ideológica”.

Usando como exemplo Cuiabá, afirma ser alarmante o número de homicídios na capital do seu estado. Embora a grande mídia geralmente dê destaques para a criminalidade no eixo Rio-São Paulo, ele acredita que existe, de modo geral, pouca preocupação dos governadores com a questão da segurança pública.

O temor do deputado é que a instalação de grupos específicos de combate à homofobia, gerem uma ‘cortina de fumaça’, que evita uma percepção desse problema de uma maneira mais ampla.

“É ingênuo afirmar que não há preconceito no Brasil. Mas não podemos confundir um ato preconceituoso, que reflita desaprovação de conduta com de um ato deliberadamente homofóbico”, sublinha. “Essas são questões distintas, que devem ser avaliadas, mas não confundidas”, enfatiza.

Sem preocupação que sua postura pareça ser “politicamente correta”, Victório Galli lembra que defende a busca de justiça social, mas que separar um determinado grupo dos demais “é um equívoco, pois não contempla a participação de toda sociedade. Não vejo como positiva uma ação de inclusão social que precisa ter a exclusão do restante da sociedade”, finalizou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s