Sobre a Tradição Católica

Resultado de imagem para tradição da igreja imagens

Antes de tudo, quero dizer que não vou fazer diferenciação nesse texto, (nem mesmo fiz no título), entre os termos católico e católico romano, toda vez que estiver falando de catolicismo é sobre a igreja católica romana tal qual a conhecemos.
Na evolução do catolicismo romano, várias doutrinas sem base bíblica vieram a ser consideradas elementos essenciais à fé cristã. Tais doutrinas foram justificadas através de uma tradição oral, supostamente apostólica, que é guardada pela igreja[1]. Essa tradição se equipara às Escrituras em nível de autoridade, sendo as duas como dois lados da mesma tradição.
Parece meio confuso, mas para a igreja católica, a tradição que foi entregue à igreja pelos apóstolos é composta em parte sob forma escrita e em parte sob forma oral. Além disso, como protetora da tradição, cabe à igreja católica definir o que faz parte da tradição e o que não faz[2].
O resultado prático disso nas palavras de Ferreira & Myatt (2007, p.97) é que “ O magistério da igreja católica se torna a autoridade final. O povo católico é obrigado a crer que o que essa igreja diz é a verdade. Em vez de sola scriptura, a prática católica é sola ecclesia”.
No século XIX, o Concílio do Vaticano I promulgou oficialmente a doutrina da infalibilidade papal. Essa doutrina prega que quando o papa se pronuncia ex cátedra, (ou seja, quando cumprindo o ofício de pastor e mestre de todos os cristãos, em sua suprema autoridade apostólica) apresenta revelações diretas de Deus que não podem ser rejeitadas. No final, o próprio magistério da igreja fica debaixo da autoridade suprema do papa[3].
A apologia católica referenda a tradição extra-bíblica em passagens como 2 Tessalonicenses 2.15, que diz: “Assim, pois, irmãos, permanecei firmes e guardai as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa”, e como 2 Timóteo 2.2: “E o que de minha parte ouviste através de muitas testemunhas, isso mesmo transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a outros”.
A verdade é que essas duas passagens não falam sobre uma tradição oral permanente, que existiria lado a lado com as Escrituras durante toda a era da igreja. Os evangelhos ainda não tinham sido escritos quando Paulo escreveu a carta aos Tessalonicenses, logicamente as informações sobre a vida e os ensinamentos de Cristo teriam sido preservadas e comunicadas numa tradição oral[4].
Algum tempo depois, os evangelhos foram escritos, e a tradição ensinada oralmente pode ser transmitida também por escrito, e com esse fato, já não se precisava mais da tradição oral. O mesmo critério de não existir uma idéia de tradição separada das Escrituras também se aplica na carta de Paulo a Timóteo.
A questão do Cânon
A teologia católica coloca a Igreja como a criadora do Cânon, tendo, portanto a mesma autoridade que a Bíblia. Para o catolicismo a autoridade da Bíblia depende da autoridade da igreja católica, como guardiã da tradição. Respondo dizendo que a igreja não definiu o cânon, apenas reconheceu os livros cuja a autoridade já era uma realidade na vida e prática das comunidades cristãs.
Os pais da Igreja
Os escritos dos pais da igreja mostram que os livros do Antigo e do Novo Testamento eram reconhecidos como Escritura pela maior parte da igreja, desde os dias dos apóstolos.
Pedro afirmou que as cartas de Paulo eram Escritura (2Pe 3.15 -16). Paulo também afirmou que o Evangelho de Lucas era Escritura (1 Tm 5.17). Policarpo, Clemente e Justinho de Roma, no século 2, já aceitavam os livros do Antigo e do Novo Testamento como Escritura[5].
Os apócrifos
Alegando autoridade, a igreja católica canonizou no Concilio de Trento,  livros apócrifos como parte do Antigo Testamento, que não eram reconhecidos como Escritura inspirada. Sobre os apócrifos, mais aqui:

https://exateus.com/2016/06/05/a-igreja-catolica-e-os-apocrifos/

Conclusão:
A igreja católica quer manter os homens em perpétua infância. Quer que os homens vão a ela em busca da verdade, em vez de ir diretamente à Bíblia. “como a mãe tola que guarda o menino em casa para que ele não machuque o dedo do pé; e quer amá-lo mais fazendo-o permanecer sempre um bebê e assim continuar sendo a sua mãe”[6]. É uma visão parasita de segurança sem inteligência ou espiritualidade.
Strong, (2010, p. 81) argumenta sobre o assunto:
Em resposta ao argumento romanista de que a Igreja é antes da Bíblia e que o mesmo corpo que deu a verdade no principio pode fazer acréscimos à verdade, dizemos que a palavra não escrita existiu antes da Igreja e possibilitou essa mesma Igreja. A palavra de Deus existiu antes que fosse escrita e por aquela Palavra os primeiros discípulos bem como os posteriores foram gerados (1 Pe 1.23 – “fostes regenerados […] mediante a palavra de Deus”).
Paulo afirmava  ter autoridade apostólica extraída diretamente de seu compromisso pelo Jesus ressurreto, como faziam os outros apóstolos, os Doze. Portanto, a autoridade não era conferida a um corpo eclesiástico (como afirmam os católicos romanos), mas à qualidade da confissão cristológica possibilitada pela revelação divina (ver Mt 16. 13-19)[7].
[1] Ferreira & Myatt, 2007, p. 96
[2] Ibdem, p. 96
[3] Ibdem, p. 98
[4] Ibdem, p. 128-129
[5] Ibdem, p. 94
[6] Strong, 2010, p. 82
[7] Kostenberger & Kruger, 2014, p. 135
REFERÊNCIAS
MYATT, Alan & FERREIRA, Franklin. Teologia Sistemática. Faculdade Teológica Batista de São Paulo. Rio de Janeiro: 2002
KOSTENBERGER, Andreas J & KRUGER, Michel J. A heresia da ortodoxia: como o fascínio da cultura contemporânea pela diversidade está transformando nossa visão do cristianismo primitivo. São Paulo: Vida Nova, 2014
STRONG, Augustus Hopkins.Teologia Sistemática. 2 ed. Hagnos. São Paulo: 2010.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s