Judeus não precisam de Cristo para serem salvos, conclui Vaticano

Por Jarbas Aragão / GospelPrime

Então são duas Salvações agora? E como ficam os teólogos católicos que tanto menosprezavam os judeus e acusavam os evangélicos de bajularem os judeus? Para mim tudo isso não passa de mais uma jogada para agradar os judeus e trazê-los para o ecumenismo!

Segue a notícia:

Os judeus podem garantir a salvação eterna sem se converter ao cristianismo, disseram teólogos católicos em um relatório publicado como resultado de uma longa investigação do Vaticano.

Essa era uma questão que prejudicava, segundo eles, as relações entre as duas religiões. O material também afirma que a Igreja não deve procurar ativamente converter judeus ao cristianismo, algo que já era defendida pelo ex-Papa Bento XVI em seu livro de 2011.

O relatório elaborado pela “Comissão para as relações religiosas com os judeus” da Igreja Católica, afirma ser possível que os judeus sejam salvos da condenação eterna independentemente de Cristo.



“Embora os judeus não creiam em Jesus Cristo como o redentor universal, eles têm direito à salvação porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis”, conclui o relatório, segundo um resumo divulgado à imprensa.

A crença de que o único caminho para a salvação é através da fé em Cristo é um princípio fundamental do cristianismo. Por isso, ao mesmo tempo que os teólogos católicos dizem que é somente graças à morte e ressurreição de Cristo que todas as pessoas têm oportunidade de salvação, insistem que os judeus são tratados de outra maneira. Seria isso “um mistério insondável no plano salvífico de Deus”.

Essa posição não constitui uma mudança formal da doutrina católica, mas indica a busca do   Vaticano em tentar minimizar os séculos de ensino antissemita, que na Idade Média justificou a perseguição e até morte de judeus.

Desde o Concílio Vaticano II que a Igreja Católica não atribui mais a responsabilidade pela crucificação de Cristo à “comunidade judaica”, destacando ainda o que chama de herança compartilhada das duas religiões.

As relações entre as duas religiões já foram tratadas em outro relatório – de 1998 – da mesma comissão que conclamou os católicos a se arrependerem por não terem feito mais para impedir o Holocausto e recriminou o silêncio da Igreja como instituição. Com informações de Jews News

Anúncios

4 comentários sobre “Judeus não precisam de Cristo para serem salvos, conclui Vaticano

  1. Isso é um dos claros produtos do sistema religioso protestante que fundou os EUA, uma fábrica de mentiras, d’onde saiu a maior parte das seitas que se espalharam pelo mundo, nas quais alguns comedores de feijão, cognominados “ungidos de deus”, tiveram supostos encontros com anjos ou ouviram a voz dos seus próprios deuses (Joseph Smith, Miller, EGW, Graham, etc).

    Os crentes sinceros acabarão deixando o evangelho mentiroso que dominou o mundo e terminarão por se reunir em suas casas, como no principio (na igreja primitiva), pois a unificação das denominações religiosas está a pleno vapor, agradando a tudo e a todos.

    Provavelmente as igrejas tradicionais continuarão com as portas abertas, mas a doutrina será unificada, terminando por mudarem os seus próprios estatutos para se adequarem à lei maior (proveniente da ONU).

    O movimento dos desigrejados, que é apolitico e não possui salário, irá crescer: https://www.youtube.com/watch?v=Hav1uKIDJqQ
    e

    Curtir

  2. Parece-me que o que houve no passado poderá se repetir, de tal sorte que um novo Concilio venha a garantir que Maomé e Jesus são a mesma “pessoa”.
    Basta lembrar o que houve em Niceia, no ano de 325:

    “Veja (Isaías 43:10-11). O Deus do Antigo Testamento prometeu estar presente e vir ELE MESMO para salvar ao seu povo; isto é exatamente o que Ele fez. Ele mesmo veio e consumou sua obra. Ali manifestado como o Criador, aqui manifestado como o Salvador, e agora no meio de seu povo manifestado como o consolador; porém não são três pessoas, mas UM e a MESMA PESSOA.. Este é o testemunho de toda a Escritura. Assim creram os profetas e apóstolos.

    Então de onde veio esta crença que acrescenta a Deus três pessoas distintas? Isto veio depois da idade apostólica (como falado anteriormente na Unidade 1 parte), e foi introduzido astutamente no Concílio de Nicéia no ano 325 a.D. A chamada trindade, que nem sequer aparece na Bíblia, teve sua origem no culto pagão. Os romanos adoravam a muitos deuses e também oravam a seus antepassados como mediadores e intercessores.

    Então a nova religião lhes deu a oportunidade de mudar os nomes de seus velhos deuses pelo nome novos; e em vez de Júpiter, Vênus, Marte etc. Tiveram a Pedro, PAULO, Fátima, Cristóvão, etc. Eles não podiam fazer que sua religião pagã permanecesse com um só Deus, portanto o dividiram em três, dando-lhe personalidades separadas para as manifestações de Deus e logo fizeram dos santos seus intercessores.

    Desde então a verdade de UMA SÓ pessoa em Deus, a escureceram. Hoje os encontramos confessando que Deus é UM, porque assim o afirma a Escritura, mas ao mesmo tempo ensinando a doutrina da trindade, teoria que converte a Deus em três pessoas. Esta doutrina é uma tradição pagã introduzida ao Cristianismo”.

    http://ronan-candini.blogspot.pt/2010/11/as-tres-manifestacoes-de-um-unico-deus.html

    Curtir

  3. Como disse o rev. Augustus Nicodemus, aquele que se envergonha de pregar, de ensinar e de defender o Evangelho de Jesus Cristo, no fundo, está fechando a única porta de salvação.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s