A VERDADEIRA FACE: GOVERNO TRUMP MOSTRA RESPOSTA PROGRESSISTA À AGENDA GAY

Líderes conservadores têm questionado a decisão do Presidente Donald Trump de sustentar uma ordem executiva assinada por Barack Obama concedendo direitos especiais para homossexuais no governo federal.

Entretanto, o vice-presidente Mike Pence, que é conhecido como um lutador pró-vida, está apoiando a decisão de Trump.
“Penso que em toda a campanha, o presidente Trump deixou claro que discriminação não teria nenhum lugar em nosso governo,” disse Pence.
Discurso de “discriminação” era basicamente a mesma estratégia que Obama e Hillary usavam para promover a agenda gay.
“Ele foi o primeiro candidato republicano a mencionar a comunidade LGBTQ em nossa Convenção Nacional Republicana e foi aplaudido por isso. E eu estava ali aplaudindo com ele,” acrescentou Pence.
Se Pence se gaba de que Trump foi o primeiro candidato republicano a louvar a comunidade LGBTQ, Obama foi o primeiro presidente a nomear um embaixador especial para a agenda gay. Como Pence espera que Trump supere Obama? Ou Trump ficará satisfeito apenas em manter intactas as ordens homossexualistas de Obama?
Ainda que Pence seja muito recomendado por sua defesa pró-vida, ele confirmou que as leis homossexualistas de Obama são boas para ele e para Trump.
Peter LaBarbera, presidente da entidade Americanos pela Verdade sobre a Homossexualidade (AFTAH), disse que tais leis não são boas para cristãos conservadores e para a Bíblia.
De que adiantará os Estados Unidos terem um presidente pró-vida e um vice-presidente pró-vida que sustentam leis homossexualistas e conduzem o mundo a um enorme caos homossexual por meio do mau exemplo de seu império?
Se Trump e seu vice tiverem êxito na luta contra o aborto, mas falharem contra a agenda gay, a derrota será devastadora para a família e a sociedade. Foi necessário somente a sodomia, não o aborto, para uma sociedade inteira, Sodoma e Gomorra, serem destruídas. Não será necessário menos para os EUA serem destruídos.
A posição deles sobre a agenda gay não é uma coisa boa para os EUA agora e seu futuro. E não é bom para o mundo, pois os EUA são um império que guia o mundo como um modelo para melhor ou pior.
Quando era governador do Estado de Indiana nos EUA, Pence aprovou a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa de Indiana para proteger pessoas religiosas de perseguição feita por ativistas gays. Mas depois de boicotes e pressões generalizadas, inclusive de grandes empresas como a Apple e Wal-Mart, Pence voltou atrás em sua lei de liberdade religiosa. Suas mudanças covardes marcaram o maior avanço de direitos homossexuais na história, de acordo com ativistas pró-família que estudaram a linguagem da lei.
Trump não tem nenhum histórico de luta contra a agenda gay. Pence tem um histórico vergonhoso de retroceder em sua luta contra a agenda gay.
A única esperança agora parece ser Neil Gorsuch, que foi nomeado por Trump para o Supremo Tribunal dos EUA. Gorsuch foi saudado com júbilo como pró-porte de armas, pró-vida, conservador, etc.
Mas se a igreja que ele frequenta é sinal da espiritualidade de um homem, as tempestades culturais que virão serão implacáveis.
Uma reportagem do DailyMail revela que a própria igreja de Gorsuch, a Igreja Episcopal de São João em Boulder, Colorado, é um ninho de ideias esquerdistas — e é liderada por uma pastora feminista, a Reverenda Susan Springer, de 58 anos, que orgulhosamente participou da Marcha de Mulheres Anti-Trump um dia após a posse de Trump.
Springer, que é membro do Partido Democrático, disse que ela é a favor do “casamento” gay e oferece bênçãos para duplas de mesmo sexo.
Gorsuch foi criado como católico por sua mãe Ann, e frequentou uma escola católica de elite só de meninos em Washington D.C. dirigida por jesuítas.
O jornal The New York Times noticiou que ele havia se tornado episcopal ao estudar na Universidade de Oxford como estudante de pós-graduação.
No entanto, um cristão conservador sempre frequenta uma igreja cristã conservadora. Sem exceção.
Trump parece ter o mesmo problema: ele frequenta uma igreja presbiteriana esquerdista. A vantagem é que Franklin Graham e televangelistas neopentecostais cujos conselhos ele recebe são conservadores.
Não sei qual igreja evangélica Pence frequenta, mas retroceder na questão da agenda gay e sustentar as ordens homossexualistas de Obama não é conservadorismo. É ajudar a mesma agenda depravada que esquerdistas como Obama e Hillary já estavam ajudando.
Com informações do DailyMail.
Anúncios

SAIU DA LINHA APANHA:TRUMP NOMEIA ATIVISTA GAY PARA SEU GOVERNO

Comentário de Libertar.in:

Não… Donald Trump nunca me enganou… nunca foi conservador… É um liberal oportunista… Fingiu uma conversão às pressas numa igreja evangélica antes do início da campanha eleitoral…. e no passado já financiou cartilha gay para crianças… e agora chama um gayzista para seu governo?

“Maldito o homem que confia no homem…” (Jeremias 17:5)
Confie apenas em Yeshua!

___

Donald Trump anunciou na sexta-feira a nomeação do fundador do PayPal Peter Thiel como um dos 16 líderes de seu Comitê Executivo da Equipe de Transição Presidencial.

“A missão de nossa equipe será clara: reunir o grupo mais qualificado de líderes bem-sucedidos que poderão implementar nossa agenda de mudança no governo dos EUA,” Trump disse numa declaração.
A nomeação de Thiel para um grande cargo governamental é um sinal da influência que o bilionário homossexualista terá em moldar o novo governo dos EUA. Ele também ajudará a escolher os líderes para o governo Trump. Saiba mais:
Por que Trump escolheu um notório homossexualista anticristão? Para levar o movimento conservador a cair numa cilada? Em 2011, fui vítima do poder abusivo de Thiel favorecendo o movimento homossexual. Você pode assistir a este vídeo católico (https://youtu.be/fSSjmMwQNn4) e a este vídeo evangélico (https://youtu.be/oZ8fzSkiB5A) sobre meu caso.
Provavelmente, Trump pensou só em termos financeiros. Co-fundador do PayPal e membro da diretoria do Facebook, Thiel havia contribuído com mais de 1 milhão de dólares para a campanha de Trump.
Na semana antes do Dia da Eleição nos EUA, Thiel defendeu sua decisão de apoiar Trump. Embora o presidente-eleito tenha, por conselho de líderes evangélicos, assumido posturas contra a agenda gay durante o curso de sua campanha presidencial, Thiel insistiu que Trump seria “abrangente” em direitos LGBT.
Thiel tem sido um homossexualista assumido bem-sucedido dentro do Partido Republicano. Meses atrás, ele se tornou o primeiro palestrante na Convenção Nacional Republicana a dizer publicamente à audiência que ele “sente orgulho de ser gay.” Ele conseguiu quebrar uma barreira poderosa para o ativismo homossexual dentro do Partido Republicano numa época em que os conservadores querem que o Partido Republicano lute contra a agenda gay.
Quando ele disse que ele tinha orgulho de ser homossexual e republicano, ele recebeu aplausos de pé, depois de acrescentar: “Quem se importa qual banheiro as pessoas usam?”
Republicanos de mentalidade esquerdista poderiam estar dizendo para si mesmos: “Quem se importa sobre o bilionário homossexual Thiel declarando seu orgulho da homossexualidade entre nós enquanto ele usa sua fortuna para nossa causa política?”
Republicanos de mentalidade conservadora fizeram outras perguntas. Peter LaBarbera, fundador e diretor da entidade Americanos em Defesa da Verdade sobre a Homossexualidade (http://www.AFTAH.org), perguntou em sua conta de Twitter: “Quantos adúlteros assumidos discursaram numa convenção do Partido Republicano? O homossexualismo é só um pecado sexual diferente.”
Como evangélico conservador, também faço perguntas. Será que Thiel, o fundador do PayPal, pode restaurar minha conta? Será que ele pode pedir desculpa e declarar que ele cedeu a ativistas homossexuais que estavam me importunando e perseguindo?
Em 2011, o PayPal fechou minha conta definitivamente, depois de uma campanha orquestrada pela organização homossexualista americana AllOut. Para mim, o PayPal explicou que estou desqualificado para receber doações de meus amigos e leitores porque “você não é uma organização registrada sem fins lucrativos”. Para AllOut, o PayPal explicou que fechou minha conta porque “Levamos muito a sério quaisquer casos em que um usuário incitou ódio, violência ou intolerância por causa da orientação sexual de uma pessoa.”
Numa classificação dos dez maiores ataques aos cristãos em 2011, a Comissão Anti-Difamação de Cristãos, com sede nos EUA, classificou a pressão gay sobre o PayPal como quarto maior ataque anticristão de 2011, conforme saiu na revista Charisma.
Peter Thiel tem apoiado causas homossexuais como a Fundação Americana de Direitos Iguais e GOProud, entidade composta por republicanos que se orgulham do homossexualismo. Em 2010, ele realizou o Homocon 2010 (um congresso de homossexuais “conservadores”) para o GOProud. Em 2012, ele doou 10 mil dólares para a entidade homossexual Minnesotans United for All Families, a fim de combater iniciativas legislativas de cristãos conservadores que queriam proibir o “casamento” homossexual em Minnesota.
Thiel acredita no libertarianismo, cujos seguidores tradicionalmente acreditam na liberdade de expressão e liberdade da imprensa.
Um verdadeiro libertário jamais teria exterminado minha conta no PayPal quando fui vítima de bullying de AllOut. Mas o ato anticristão de Thiel contra mim e minha família (minha conta era usada para receber donativos de meus amigos para nos sustentar) se explica pelo que ele escreveu num artigo de 2009 para o Instituto Cato. Ele disse: “Não mais creio que a liberdade e a democracia sejam compatíveis.”
Do jeito difícil, entendi que ele pratica o que crê e diz.
Thiel, que apoia o “casamento” homossexual, foi um dos investidores originais do Facebook (uma decisão que o tornou bilionário) e ele ainda faz parte de sua diretoria.
Ele é também co-fundador de Palantir, uma empresa há muito tempo associada à realização de análise de dados para agências americanas de espionagem e monitoração.
Ele apoia a legalização da maconha, algo a que o Partido Republicano se opõe há muito tempo.
A decisão de Thiel de endossar Trump, ainda que o democrata esquerdista John F Kennedy seja seu presidente favorito, mostra que ele parece um republicano tão imprevisível quanto Trump.
É evidente que há muito mais coisas nas motivações de Thiel. Pelo fato de que ele é um capitalista com uma fortuna de 3 bilhões de dólares, ele parece crer que Trump administrará a economia bem. Suas ambições capitalistas parecem estar um pouco acima de sua militância homossexual.
Contudo, definitivamente seu poder capitalista está a serviço da militância homossexual. O PayPay se comprometeu a parar a expansão de seus serviços na Carolina do Norte, EUA, depois que o governador desse estado sancionou uma lei para proteger mulheres e crianças contra predadores homossexuais não permitindo que homens biológicos usem os banheiros e vestiários femininos.
A presença do intimidador homossexual bilionário Peter Thiel como um dos líderes do Comitê Executivo da Equipe de Transição Presidencial de Trump parece ter sido planejada para enfraquecer os valores conservadores dentro de um governo Trump.
O serviço noticioso internacional Associated Press informou em outubro passado que “Donald Trump diz que ele seria um presidente melhor para gays que Hillary.” Thiel insistiu que Trump será “abrangente” em direitos LGBT. Será que Thiel é parte dessa estratégia “abrangente”?
Com informações do Washington Blade, The Washington Post, Bloomberg, CNN e DailyMail.

Revisionismo homossexual: Mulher-Maravilha agora é gay

Nem ela escapou do revisionismo gay.

O roteirista dos quadrinhos da nova Mulher-Maravilha revelou que a personagem é gay. Em entrevista ao site especializado Comicosity, Greg Rucka disse que, como a Mulher-Maravilha vem de uma nação fictícia só de mulheres, a ilha de Themyscira, ela “já se apaixonou e teve relacionamentos com outras mulheres”. Rucka não descarta a possibilidade de um relacionamento romântico com Steve Trevor, interesse amoroso da personagem em encarnações passadas [aqui ele se refere à tradicional Mulher-Maravilha dos quadrinhos, que teve um romance com o militar norte-americano que descobriu a ilha das amazonas]. Mulher-Maravilha retornou aos cinemas neste ano com “Batman vs. Superman: A Origem da Justiça”. Um filme estrelado pela atriz israelense Gal Gadot está previsto para chegar aos cinemas em junho do próximo ano. (Folha de S. Paulo)

Nota:

E continua a campanha pela popularização do estilo de vida homossexual. Os leitores mais antigos de personagens como a Mulher-Maravilha sabem que questões de gênero e homossexualismo nunca foram abordadas nos quadrinhos da personagem. Ela simplesmente vivia em uma ilha habitada por amazonas – como irmãs –, até descobrir o “mundo dos homens” e se apaixonar por um militar, além de ter tido alguns affairs com o Superman. Mas eis que a Wonder Woman entrou na mira dos revisionistas e pode não mais ser tão woman assim. Um dos arquétipos de feminilidade das HQs poderá ser transformada em uma personagem homossexual. Outras figuras conhecidas dos quadrinhos já foram tiradas do armário que inventaram recentemente para elas. Alguns exemplos: Lanterna Verde, Estrela Polar, Batman e até o Wolverine. Nada contra os homossexuais, mas essa forçação de barra chega a ser irritante. Estamos assistindo a uma verdadeira campanha massiva anticriacionista. O evolucionismo é promovido como fato, verdade científica a respeito das origens; o casamento heteromonogâmico instituído na criação é tratado como coisa do passado; e os dois gêneros criados por Deus não são mais únicos. Com uma campanha massiva dessas e garotos e garotas-propaganda tão eficazes, fica cada vez mais difícil defender as puras verdade da Bíblia. O mundo está uma confusão só – exatamente como nos dias de Noé… [MB]

https://www.youtube-nocookie.com/embed/ztweoVn4O6Y

[FONTE: Criacionismo]

Mais aqui:

https://exateus.com/2016/03/03/disney-mostra-desenho-de-seu-primeiro-casal-gay/comment-page-1/

https://exateus.com/2016/05/05/ativistas-querem-personagens-gays-em-filmes-infantis/

 

REDE GLOBO VOLTA A FAZER PROMOÇÃO À AGENDA GAY DURANTE PROGRAMAÇÃO ESPORTIVA

Comentário por Libertar.in

A Rede Globo que já estimulou até o incesto em novela, aproveitou sua programação esportista da olimpíada carioca, para fazer novamente promoção à causa gay, realizando ‘beijaço’ entre suas apresentadoras.

Reportagem na Veja:

Culpem o espírito olímpico ou o clima de corrente-pra-frente: Acontece que, em matéria de situações inusitadas, a Olimpíada do Rio já merece ouro. No programa ExtraOrdinários, por exemplo, uma cena curiosa acabou chamando a atenção dos espectadores: Maitê Proença eAstrid Fontenelle acabaram se beijando na boca durante a atração da SporTV.

O momento “íntimo” ocorreu depois que Astrid abraçou Maitê por trás e disse que ela estava cheirosa. Maitê se animou com o carinho e beijou a colega por alguns segundos, deixando desconcertados os apresentadores Claudio Manoel e Felipe Andreoli. “É ouro, é gol!”, festejou Claudio. Assista:

Nas redes sociais, Astrid comentou a cena: “É gooollllll!!!!! Maitê e eu causando no Sportv. Como negar um pedido dela? Galera do mau humor ou da Liga das Senhoras Católicas: é tudo brincadeirinha”, escreveu.

Via Veja

PARA JEAN WYLLYS, PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA A CRISTÃOS É “FANTASIA IMAGINÁRIA”

O deputado federal e ativista gay Jean Wyllys (PSOL-RJ) comentou a aprovação, na Câmara Municipal de São Paulo, do projeto de lei que cria o Dia do Combate à Cristofobia na cidade, e afirmou que não existem casos de perseguição a cristãos que justifiquem a data.

Em um artigo publicado em seu site, Wyllys acusou os vereadores paulistanos deaprovarem a data para atacarem a militância LGBT: “A Câmara de Vereadores de São Paulo aprovou mais uma data comemorativa sem relevância, desta vez para atacar a livre expressão de LGBT’s: o dia de combate à ‘cristofobia’. Essa legislação faz parte de um discurso desonesto, defendido há tempos por fundamentalistas ultraconservadores, segundo o qual a defesa de direitos e liberdades civis para LGBT’s configura uma forma de discriminação contra os praticantes do cristianismo”, afirmou o deputado.

Para Jean Wyllys, uma data que alerte sobre a perseguição religiosa contra cristãos é um gesto de “desonestidade intelectual” por supostamente querer atribuir à comunidade LGBT uma aversão aos cristãos: “A acusação (sic) de ‘cristofobia’ (uma fobia que não existe) é absurda e aviltante. É evidente que gays, lésbicas, bissexuais, travestis e as pessoas trans não têm ‘fobia’ de Cristo ou do cristianismo. Há, inclusive, muitos que praticam o cristianismo em diferentes igrejas, da mesma forma que há os que praticam outras religiões e também os ateus. Insinuar que a crítica dirigida aos discursos de ódio e preconceito contra os LGBT é uma crítica à religião é mais um ato de má-fé e desonestidade intelectual”, disse o ex-BBB.

Em um gesto hostil, Wyllys classificou de “fantasia imaginária” a perseguição religiosa a cristãos, que ele recusa a reconhecer, e afirmou que a lei, no fundo, é uma perseguição dos cristãos aos judeus: “A lei aprovada pela Câmara Municipal mira na comunidade LGBT, mas pode em pouco tempo ter como alvo também a comunidade judaica, já que os judeus não acreditam que Jesus seja o Cristo nem o Messias; logo, essa tal ‘cristofobia’ não passa do velho antissemitismo disfarçado. Se há hoje, no Brasil, religiosos perseguidos e discriminados, estes são os das religiões de matriz africana (Candomblé, Umbanda e Batuque)”, acusou.
Perseguição religiosa

Frequentemente chegam notícias de diversos cantos do mundo em que cristãos sofrem por sua fé em Jesus. Não são poucos os casos de pessoas que perdem a vida por entregarem sua fé ao Filho de Deus.

Quando Wyllys se recusa a reconhecer que existe perseguição contra cristãos, ele ignora o fato de que, diariamente, dez cristãos perdem a vida em todo o mundo por acreditarem no sacrifício da cruz.

O ativista gay, reduzido à busca por privilégios para a comunidade LGBT e à defesa de projetos de lei que obrigariam o governo a custear cirurgias de mudanças de sexo para crianças sem necessidade da aprovação dos pais, desconhece o triste caso da cristã iraquiana que foi feita de escrava sexual por militantes do Estado Islâmico, com quem era obrigada a “casar” e se “divorciar” nove vezes por noite, em um legalismo usado pelos terroristas para driblar a lei sharia, que rege a lei da própria religião que seguem.

Ao dizer que não existe cristofobia, o deputado rejeita o fato de a Nigéria, atualmente, enfrentar uma guerra civil iniciada por extremistas muçulmanos do Boko Haram, que prega a aniquilação da fé cristã no país africano. Uma das mortes causadas por esse pensamento intolerante foi registrada recentemente, quando um cristão foi morto por linchamento sob a acusação de supostamente ter blasfemado contra Maomé.

A criança que foi queimada viva, e nos últimos suspiros clamou a Deus para que perdoasse seus algozes também é uma “fantasia” para Jean Wyllys. Isso, para listar apenas alguns dos casos que, com dor, frequentemente são registrados neste portal. Com informações Gospel Mais

JOÃO SEM BRAÇO: GRUPO LGBT FAZ PROTESTO CONTRA TERRORISTA ISLÂMICO EM FRENTE A IGREJA CRISTÃ; INTERNAUTA RESPONDE COM LISTA DE ENDEREÇOS DE MESQUITAS

3
O grupo petista “Levante Popular da Juventude” fez uma manifestação a favor das vítimas do terrorista islâmico que matou 49 pessoas na boate gay de Orlando.
O que ninguém entendeu foi porque fizeram isso em frente de uma Igreja Cristã.
Por que estes covardes não protestaram em frente à uma Mesquita?
As provas de que o esquerdismo é uma doença mental, uma escravidão demoníaca só aumentam… que Deus possa libertar estas pobres almas…
1

Um internauta resolveu ajudá-los postando uma lista de endereços de Mesquitas Islâmicas para eles irem fazer protesto.

Pior massacre a tiros da história dos EUA: extremista islâmico mata pelo menos 50 em boate homossexual na Flórida

Julio Severo

Um suspeito extremista islâmico que estava usando um fuzil de assalto e uma pistola abriu fogo dentro de uma boate homossexual lotada domingo de madrugada, matando pelo menos 50 pessoas antes de morrer num tiroteio com agentes da SWAT, disse a polícia. Foi a pior matança a tiros da história dos EUA.

Fontes policiais identificaram o assassino como o cidadão americano Omar Mateen, de 29 anos, cujos pais são do Afeganistão, país radicalmente islâmico.

Pelo menos 50 pessoas foram mortas e 53 outras foram feridas no tiroteio dentro de Pulse, que se descreve como a boate mais proeminente de Orlando, na madrugada de 12 de junho de 2016,.

Havia cerca de 320 pessoas dentro da boate na hora do tiroteio e cerca de 100 foram feitas reféns.

Um porta-voz do FBI disse que a matança em massa a tiros está sendo investigada como um ato de terrorismo. O FBI crê que o assassino, que foi morto pela polícia, pode ter “inclinações para com o terrorismo islâmico radical.”

Contas de Twitter que afirmam ter ligação com o Estado Islâmico aclamaram a matança a tiros.

O ataque aconteceu contra três símbolos homossexuais significativos. Junho de 2016 é o mês que, por decreto presidencial, Barack Hussein Obama proclamou oficialmente como “Mês do Orgulho Lésbico, Gay, Bissexual e Transgênero” nos Estados Unidos.

A cidade do ataque, Orlando, é onde fica a Disney World, um parque de diversões famoso por defender a ideologia gay.

A boate homossexual mais proeminente de Orlando foi atacada. Boates são grandes pontos de encontro para homossexuais.

O deputado federal Adam Schiff, que é o maior líder democrata no comitê de inteligência do Congresso dos EUA, comentou que o tiroteio ocorreu durante a data islâmica sagrada do Ramadã, e que líderes do ISIS exortaram os muçulmanos a atacar durante essa época.

“O alvo foi uma boate LGBT durante o [Mês do] Orgulho [Homossexual], e — se acurado — que de acordo com a polícia local o assassino declarou sua aliança ao ISIS, que indica um ato de terrorismo inspirado pelo ISIS,” Schiff disse numa declaração.

Se confirmado como ato de terrorismo, seria o ataque mais mortal em solo americano desde 11 de setembro de 2001, quando sequestradores muçulmanos sauditas treinados pela al-Qaeda explodiram aviões comerciais a jato no World Trade Center de Nova Iorque, no Pentágono e num campo na Pensilvânia, matando umas 3 mil pessoas.

Uma postura cristã

É claro que os cristãos, que são o alvo principal da violência e matança islâmica no mundo inteiro, simpatizam com as vítimas do maior massacre a tiros da história dos EUA. Mas simpatia não equivale a endosso da agenda homossexual.

Embora nações islâmicas como a Arábia Saudita, que é aliada dos EUA, condenem a agenda gay e os homossexuais à morte, os cristãos só condenam a agenda gay e ajudam os homossexuais a se verem livres de sua influência física, moral e espiritualmente mortal.

A grande mídia americana, tradicionalmente controlada por socialistas pró-sodomia, não critica a Arábia Saudita e sua violência contra os cristãos. Aliás, ela fala timidamente sobre os cristãos (que representam a maioria das vítimas) e os homossexuais (que representam uma minoria das vítimas) sendo mortos em nações islâmicas.

O que fazem os modernos EUA “tolerantes,” que foram historicamente fundados por protestantes perseguidos? Concedem asilo para milhares de muçulmanos. Só neste ano, os EUA deram asilo para mais de 2 mil sírios muçulmanos. Só seis cristãos sírios ganharam asilo.

Isto é, os muçulmanos tradicionalmente perseguem e matam cristãos e homossexuais, e os EUA querem mais muçulmanos, e menos, muito menos, de suas vítimas cristãs.

Omar Mateen é fruto direto das insanas políticas de imigração pró-islamismo de uma república fundada por evangélicos, que nunca imaginaram uma nação para servir à agenda gay e islâmica.

Ainda que os homossexuais estejam também, junto com os muçulmanos, na prioridade máxima dos EUA concedendo asilo, os cristãos têm sido marginalizados.

Agora que um terrorista islâmico fez numa boate homossexual dos EUA o que eles fazem diariamente com cristãos em países muçulmanos, o que os EUA farão? Rotularão o ataque como fanatismo religioso geral para demonizar esforços cristãos de ajudar os homossexuais e a sociedade a se verem livres da influência física, moral e espiritualmente mortal da agenda gay?

Os cristãos também trabalham para livrar a sociedade da agenda islâmica. Se seus esforços falharem, quem impedirá outros massacres de acontecer?

Homossexuais e muçulmanos não precisam morrer. Jesus tem um plano melhor para eles: libertação de seus pecados e vida eterna.

Nós cristãos amamos os pecadores, mas não seus pecados, e lamentamos quando eles morrem em seus pecados.

Com informações do DailyMail, Associated Press e Reuters.

Versão em inglês deste artigo: Worst Mass Shooting in U.S. History: Islamic Extremist Kills at Least 50 at Florida Homosexual Nightclub

Fonte: http://www.juliosevero.com