Respondendo o “santo” Conde Lampreia!

Respondo ao cinismo do tal Conde Lampreia que foi pagar de vítima no seu canal de delinquentes, depois de ter xingado a minha mãe e ter feito outras baixarias no meu canal! Será que esse tal Conde sabe que eu moro no Maranhão e para dar um pulo em Belém é daqui para li? Assistam:

Anúncios

IGREJA CATÓLICA CELEBRA “DIA DAS DRAG QUEENS”

Resultado de imagem para igreja católica celebra o dia das drag queens

Comentários por Libertar.in

Vergonha alheia… se no meio evangélico existe uma infestação de falsos profetas, imorais, pervertidos, a Igreja Católica parece não ficar muito atrás, graças a maldita Teologia da Libertação.

Mas pelo menos o Papa Chico deve curtir isso, aliás, não foi ele que mandou todos os cristãos a pedir perdão aos homossexuais? Perdão para quê? por “incomodá-los” com a verdade de Cristo?

“Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.” (1 Coríntios 6:10)

Texto no perfil da Paróquia:

“Em comemoração ao Dia Internacional da Drag Queen, nossa Paróquia recebeu nossa grande paroquiana Dindry Buck em celebração do novenario de nossa Padroeira. Foi um momento de muita alegria para nossos paroquianos que amam e respeitam o trabalho que Dindry Buck faz em nossa Paróquia. Dindry falou sobre a importância de lembrar esse dia e a sua missão de levar a alegria para o mundo.” Leia também:

https://exateus.com/2016/06/27/papa-diz-que-cristaos-devem-pedir-perdao-a-gays/

https://exateus.com/2016/07/04/ideologia-de-genero-arrependido-apos-mudanca-de-sexo-agora-procura-ajudar-os-outros/

https://exateus.com/2016/01/29/homossexualidade-deus-igreja-certo-e-errado-biblia-e-outras-ponderacoes/

https://exateus.com/2016/06/13/morre-joide-miranda-famoso-por-ser-ex-travesti/

https://exateus.com/2016/06/05/o-verdadeiro-israel-a-sinagoga-do-anticristo-que-a-midia-ocidental-oculta/

Famoso pastor evangélico afirma que na Igreja Católica há mais milagres graças a Eucaristia!

Resultado de imagem para benny hinn imagens

Meu comentário: Eu fui católico durante 20 anos, nunca presenciei um milagre, uma cura uma libertação nessa igreja. Minha mãe é católica e também nunca fiquei sabendo por ela de algum milagre. Em 9 anos na igreja evangélica já presenciei muitas curas, milagres, profecias, libertações!

Um vídeo começou a ser compartilhado nas redes sociais em que o famoso “tele-evangelista” pentecostal Benny Hinn ensina que os católicos experimentam mais milagres que os pentecostais…

Dominio público: Pixabay / Wikipedia

Algo um tanto inesperado aconteceu.

Um vídeo começou a ser compartilhado nas redes sociais em que o famoso “tele-evangelista” pentecostal Benny Hinn ensina que os católicos experimentam mais milagres que os pentecostais. O mais surpreendente desse caso é que ele atribui esta situação a crença dos católicos na presença real de Jesus na Eucaristia, na qual Hinn também crê (pelo menos em alguma coisa sobre ela). Leia mais:

https://exateus.com/2016/06/21/satanismo-catolicos-veneram-cadaver-na-italia/

https://exateus.com/2016/02/09/papa-francisco-ordena-que-corpo-de-monge-morto-padre-pio-seja-transferido-para-o-vaticano-para-ser-adorado/

https://exateus.com/2016/07/10/quem-esta-certo-o-catolico-ou-o-evangelico/

https://exateus.com/2016/05/03/evangelizando-catolicos/

 

“Eles realizaram um estudo em que mostra que mais pessoas são curadas na Igreja Católica que nas igrejas pentecostais”, disse Hinn em sua palestra. Não está claro qual estudo fez referência. “Os estudos tem demonstrado”, afirma.

A hipótese do pastor é “porque os católicos veneram a Eucaristia”.

Mais pessoas são curadas em uma Igreja Católica durante a Comunhão do que nas pentecostais… porque para nós é apenas simbólico.”

Então se animou a defender a doutrina da presença real de Jesus na Eucaristia: Bom… Jesus não disse “Este é o símbolo do meu corpo. Este é o símbolo do meu sangue’. Ele disse este é o meu corpo e este é o meu sangue.”

E creio – eu sempre acreditei – que em Espírito esse é seu corpo, em Espírito esse é o seu sangue, que possamos venerá-lo. Existe cura na comunhão. Definitivamente tenho visto em meu próprio ministério.”

É importante ressaltar que os católicos creem na transubstanciação, onde o pão e o vinho verdadeiramente se transformam em Jesus, não apenas espiritualmente. Quando Hinn afirma que o pão e o vinho são Jesus apenas “em Espírito”, ele está ensinando algo distinto da Doutrina Católica.

No final do vídeo ele fala dos milagres nas comunidades cristãs coptas, afirmando que eles têm milagres pelas mesmas razões que a Igreja Católica.

Vale ressaltar que essa pregação foi direcionada a uma igreja pentecostal, por isso não sabemos quando e nem onde foi gravado esse vídeo.

Este é o vídeo (inglês):

*Ative a legenda do vídeo para o português.

https://www.youtube-nocookie.com/embed/VvYeXh3JHco

[Via: http://pt.churchpop.com]

George Soros se converteu?

Comentários por APCNEWS

Não confiem em tudo que a WikiLeaks traz à tona. Eles usam algumas verdades reveláveis para distrair das verdades – que não podem ser sabidas – é uma tática muito eficaz. O que a WikiLeaks diz, no fundo, todo mundo já sabe. Questionem vocês mesmos a cada coisa que essa gente ou qualquer outra diz, nunca aceitem nada pronto, tenham 3 olhos, e olhem com o olho mais espiritual arguto possível para o lado que eles não apontam. E, principalmente medite sempre na Palavra de Deus e obedeça aos Seus Mandamentos no nome e nos méritos do Cristo

________________

Os católicos idiotas úteis de George Soros!

soroskjhgfUma série de documentos notáveis foram vazados pela Wikileaks recentemente. A “sociedade aberta” de George Soros (Open Society Policy Center), ao que parece, fez doações de 650 mil dólares a duas organizações religiosas ou “baseadas na fé”. Inicialmente, isso pode se assemelhar a uma conversão religiosa de Soros. Mas não é. Indo mais fundo, essa motivação filantrópica possui um motivo bem mais banal: a política.

No entanto, havia uma dimensão bastante interessante para as doações a esses dois grupos – “PICO” e “Fé na Vida Pública” (Faith in public life, FPL) – que, além de serem “baseadas na fé”, gerenciam redes de ativistas “grass roots” (grass roots em inglês significa “pessoas separadas da elite” ou “gente comum”). Soros estava contribuindo para recrutar 10 mil voluntários, enquanto treinava outros 3.500 para uma mobilização, a fim de influenciar a Igreja Católica em 2015 durante a visita do Papa Francisco aos Estados Unidos.

Num primeiro momento, as doações parecem benignas. Como presidente de um grupo não-partidário, eu entendo que é preciso dinheiro para disseminar as ideias de uma organização às pessoas religiosas. O que é desconcertante, no entanto, é a intenção política (muito óbvia pelos documentos) para manipular os líderes da Igreja Católica. Tem-se a impressão de que Soros e seus companheiros de viagem enxergam as lideranças das comunidades religiosas em geral e, principalmente da Igreja Católica, como meros idiotas úteis a serem manipulados para promoção de suas agendas políticas e secularistas.

Apesar disso, os “justiceiros sociais” dessas duas organizações beneficiadas por Soros (PICO e FPL) aparentemente não possuem nenhum escrúpulo moral sobre o recebimento de dinheiro de fontes que, a julgar por várias “empresas” de caridade de George Soros, veem a Igreja Católica e outros grupos religiosos tradicionais como uma grande parte dos problema sociais que procuram erradicar. De acordo com os documentos vazados, uma parte das doações monetárias de Soros foi gasta promovendo John Gehring, um ex-assistente de diretor de mídia, na Conferência dos Bispos Católicos dos EUA, como comentarista dos meios de comunicação nacionais de mídia.

Gehring entrou em conflito com os bispos católicos em 2012 após a emissão de uma nota que fornecia aos jornalistas perguntas antagônicas para confrontarem os bispos sobre a Quinzena da Liberdade religiosa daquele ano. Ele também encorajou os jornalistas a desafiarem qualquer alegação de que a Primeira Emenda de garantias de liberdade religiosa estava sob ataque.

A visita do papa Francisco aos Estados Unidos, em 2015, seguiu o lançamento, no início do ano, de sua encíclica “Laudato Si”. Ambas definiram não apenas o cenário da Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas, em Paris, mas um amplo debate religioso e político sobre essas questões, precisamente o que o Santo Padre pretendia. Os documentos vazados revelam, entretanto, que o FPL e a PICO tinham muito mais que um debate como seu objetivo.

Eles queriam, por exemplo, “arregimentar bispos para mais expressar publicamente mensagens de justiça econômica e racial, a fim de criar uma massa crítica de bispos que estejam alinhados com o Papa”. Eles também relatam que “os grupos locais de PICO estão capitalizando a dinâmica da visita do Papa, como planejado, para pressionar por uma série de reformas políticas estaduais e locais, inclusive em Minnesota, um estado com população católica significativa nas regiões suburbanas e rurais, onde dezenove paróquias e, distritos-chave legislativos estão prontas a apoiar campanhas legislativas para obter carteiras de motorista para imigrantes, regular empréstimos individuais, e aumentar, em todo o estado, licenças familiares pagas. Os 650 mil dólares também ajudaram a lançar as sementes para os esforços de PICO e FPL para “mudar as prioridades da Igreja Católica nos Estados Unidos para se concentrar em questões de injustiça e opressão”.

Outros detalhes dos múltiplos vazamentos de minutas de reuniões da Open Society revelam o trabalho de uma rede política “progressista” que se estende para além da PICO e da FPL nos corredores do próprio Vaticano.

“A fim de aproveitar este momento, vamos apoiar as atividades organizadas pela PICO para envolver o Papa em questões de justiça econômica e racial, usando inclusive a influência do Cardeal Oscar Rodriguez Maradiaga, assessor do Papa, e enviar uma delegação para visitar o Vaticano na primavera ou no verão, para permitir a ele ouvir diretamente os católicos de baixa renda da América”.

As minutas continuam: “ao aproveitar a visita papal para mostrar a crítica ao que o Papa chama de “uma economia de exclusão e desigualdade” e sua rejeição às teorias de redistribuição, PICO e FPL vão trabalhar para construir uma ponte visando maior conversa sobre as preocupações econômicas básicas e mudar paradigmas e prioridades nacionais na preparação para a campanha presidencial de 2016”. Tendo em conta os esforços evidentes contra alguns grupos de ativistas de base religiosa, que essencialmente parecem perto de influenciar a atual campanha presidencial e até mesmo levantar dinheiro usando a imagem do Papa Francisco, eu acredito que o investimento do sr. Soros foi bem sucedido.

Isso não é educação. Isso é manipulação política, a fim de colocar a Igreja Católica na agenda política do sr. Soros; um esforço cínico, bem financiado, para explorar os fiéis e atingir fins morais e políticos duvidosos.

O Sr. Soros deveria ser condenado por usar seu dinheiro dessa forma, e as organizações baseadas na fé que o aceitaram deveriam ter vergonha.

O padre Robert A. Sirico é presidente do Acton Institute em Grand Rapids, Michigan.

Tradução: Dayane Mota e Milena Popovic. [Via: http://www.puggina.org]

Os pais da Igreja eram católicos romanos?

Resultado de imagem para pais da igreja imagens
Orígenes

É um erro anacrônico impor aos pais da igreja o conceito de que eles eram “católicos romanos”. Devemos entender o que eles queriam dizer quando se diziam “católicos”. Tratar a palavra “católico” como sinônimo da expressão “católico romano” tem privado muitos cristãos reformados ou evangélicos de sua antiga herança.

A palavra “católico” se origina da palavra grega katholikos, que literalmente significa “pertencente ao todo” ou “universal”. Quando foi usada para designar a igreja cristã no período patrístico, ela se referia à comunidade unificada de todos os verdadeiros crentes no mundo: aqueles que acreditavam no Cristo ressurreto, cuja a doutrina era ortodoxa e cuja a fé era identificada com o testemunho ocular dos apóstolos.

Quando o catolicismo romano passou a existir?  

Não é tarefa fácil identificar o momento certo de sua origem, devido à constante evolução da Igreja Católica Romana. Não restam dúvidas, sendo justo dizer que muito de suas doutrinas e práticas são encontradas na própria Bíblia e no cristianismo do primeiro século. No entanto, o catolicismo romano de hoje, carrega elementos diferentes do catolicismo romano do período medieval.

A igreja Católica Romana inclui em suas atuais doutrinas a infalibilidade papal, dizendo que o mesmo é o herdeiro de Pedro e realiza um ministério ininterrupto em nome dele. Soma-se a isso, a idéia de que a Igreja de Roma deve ser a sede preeminente do cristianismo em todo o mundo latino.

Com essas doutrinas postas, podemos identificar uma data aproximada da origem da Igreja católica Romana. Por causa do enfraquecimento do governo imperial, devido às invasões bárbaras, os bispos se viram forçados a assumir cada vez mais uma liderança pública. Devido ao prestígio de Roma e a deferência da população à capital, o bispo de Roma (ou papa, como começou a ser chamado), tornou-se o único líder da Igreja Latina, afirmando ser a voz viva de Pedro. Com base nessas considerações, podemos datar o surgimento do catolicismo romano por volta de 500 d.C.

Portanto, o “catolicismo” não é uma forma abreviada de dizer catolicismo romano, o cristianismo católico foi estabelecido muito antes de surgir a Igreja Católica Romana como tal. Ser católico é simplesmente ser parte do corpo de Cristo mundial. Temos que entender que catolicidade é um objetivo nobre e digno para todos os crentes, ser católico é unir-se a todos que “lutam pela fé entregue aos santos de uma vez por todas” (Jd 3). Esse era o catolicismo dos pais da igreja antiga.

Os reformadores

Em geral, os reformadores consideravam os primeiros pais da igreja seus aliados. Com freqüência os reformadores citavam a igreja antiga de maneira positiva, exatamente o modelo ao qual estavam tentando retornar. Os reformadores entendiam que o cristianismo original puro foi maculado por séculos de abuso papal.

Os comentários de Lutero são carregados de citações patrísticas. Ele estudou exaustivamente os pais da Igreja, embora tivesse em mente que uma reforma baseada nos escritos deles e nos antigos credos seria impossível de se alcançar.

João Calvino se considerava mais fiel aos pais da Igreja antiga que a Igreja Romana. Ele disse que em muitos pontos teológicos, os ensinamentos da igreja antiga corroboram a Reforma. Toda essa historiografia do monopólio católico por uma lado e de uma visão de “queda do cristianismo” por parte dos evangélicos já no período dos pais apostólicos, rouba dos crentes contemporâneos porções enormes do legado histórico cristão.

Referência

Conhecendo os Pais da Igreja. Uma introdução evangélica. Bryan M. Litfin