Canadá a Torre de Babel fica lá!

O Canadá é famoso por seu multiculturalismo que tem raízes históricas, por conta disso virou um paraíso LGBT e islâmico! Assistam:

Anúncios

UNESCO QUER IMPLEMENTAR DOUTRINAÇÃO LGBT PARA CRIANÇAS EM TODO O MUNDO

A UNESCO acaba de publicar um documento que estabelece mecanismos de doutrinação LGBT em todas as escolas do mundo, usando novamente como desculpa a violência e o bullying.

O informe fala em “homofobia” e “transfobia” nos colégios. Afirma também que a imposição de normas de vestimenta e de corte de cabelo supõem uma forma implícita de homofobia e transfobia”.

Alguns dados do informe:

1- 85% dos estudantes LGBT dos EUA sofrem violência e bullying.
2- 45% dos estudantes transgênero da Argentina abandonaram os estudos.
3- Os estudantes LGBT tiveram resultados acadêmicos ruins na Austrália, China, Dinamarca, El Salvador, Itália e Polônia.

Tudo isso de acordo com dados “pré-fabricados”, retirados de pesquisas feitas por organizações LGBT, como a ILGA (International lesbian, gay, bisexual, trans and intersex association). Até as fotos são cedidas pelo lobby gay de estudantes europeus.

O informe também promove a agenda de gênero, definindo este termo da seguinte maneira:

“Construção Social aprendida por meio do processo de socialização dos atributos e oportunidades associados a homens e mulheres.”

A definição é flagrantemente auto-contraditória: se não podemos falar em “homem” ou “mulher”, já que são mera construção social, por que utilizar os conceitos numa definição que pretende negá-los?

O que o lobby LGBT propõe:

1- Uma educação “inclusiva e compreensiva” em relação às diferentes identidades sexuais e expressões de gênero “desde a mais tenra idade”.
2- Os conteúdos deverão ser livres de preconceitos e objetivos. Não poderão ser “inexatos nem estigmatizantes” e deverão ser transversais, ou seja, serão incluídos em todas as disciplinas.
3- A criação de uma campanha de sensibilização mundial e avaliará a evolução do programa.
4- Os países deverão incorporar essas propostas.

Mais uma vez podemos notar o caráter eufemístico do palavreado usado para apresentar o programa. Apesar de ser uma tática cada vez mais previsível, os revolucionários ainda precisam recorrer a ela, pois se não o fizerem ninguém lhes dará ouvidos. Precisam usar uma linguagem sentimentalista para tentar enganar as pessoas, pois o que querem realmente é doutrinar as crianças com uma “cosmovisão LGBT”.

O informe não menciona em nenhum momento o direito dos pais a educar seus filhos.

Assine a petição para enviar um e-mail à UNESCO manifestando sua discordância em relação ao programa.

Via: Citizen Go

Mais:

https://exateus.com/2016/10/02/onu-aprova-proposta-brasileira-e-elege-inspetor-para-investigar-homofobia/

https://exateus.com/2016/05/22/o-que-e-a-onu-criacao-luciferiana/

https://exateus.com/2015/10/23/a-onu-contra-a-familia-tradicional/

 https://exateus.com/2016/08/10/onu-lgbt-oms-vai-declarar-que-ser-transgenero-nao-e-doenca-e-natural/

ONU está para nomear “ministro” LGBT mundial que investigará alegadas violações de direitos por parte de governos e indivíduos contra homossexuais

Obama aprovará primeiro monumento pelos direitos dos homossexuais

Estados Unidos aceitaram apenas 28 cristãos refugiados, mas aceitaram 5.435 refugiados muçulmanos, apesar do genocídio incomparável do Islamismo contra os cristãos! Explicado?

BARACK OBAMA QUER SER O SECRETÁRIO GERAL DA ONU? MAIS UM PASSO PARA O SOCIALISMO GLOBAL?

ONU afirma que levar crianças à igreja é “violação dos direitos humanos”

ONU ignora 400.000 pedidos em favor de cristãos

ANTICRISTO? OBAMA QUER PRESIDIR A ONU PARA ENTREGAR JERUSALÉM AOS PALESTINOS

 

ONU aprova proposta brasileira e elege inspetor para investigar homofobia!

Saiba mais sobre a ONU como se tornou um órgão satânico, que trabalha em conjunto com os EUA através do presidente OBAMA, dando total apoio ao ativismo homossexual, ao esquerdismo, ao relativismo cultural e religioso, ao islamismo  e  a perseguição aos cristãos clicando nos links abaixo:

https://exateus.com/2016/05/22/o-que-e-a-onu-criacao-luciferiana/

https://exateus.com/2015/10/23/a-onu-contra-a-familia-tradicional/

 https://exateus.com/2016/08/10/onu-lgbt-oms-vai-declarar-que-ser-transgenero-nao-e-doenca-e-natural/

https://exateus.com/2016/06/29/onu-esta-para-nomear-ministro-lgbt-mundial-que-investigara-alegadas-violacoes-de-direitos-por-parte-de-governos-e-individuos-contra-homossexuais/

https://exateus.com/2016/05/10/obama-aprovara-primeiro-monumento-pelos-direitos-dos-homossexuais/

https://exateus.com/2016/06/16/estados-unidos-aceitaram-apenas-28-cristaos-refugiados-mas-aceitaram-5-435-refugiados-muculmanos-apesar-do-genocidio-incomparavel-do-islamismo-contra-os-cristaos-explicado/

https://exateus.com/2016/01/15/barack-obama-quer-ser-o-secretario-geral-da-onu-mais-um-passo-para-o-socialismo-global/

https://exateus.com/2016/07/01/onu-afirma-que-levar-criancas-a-igreja-e-violacao-dos-direitos-humanos/

https://exateus.com/2016/05/09/onu-ignora-400-000-pedidos-em-favor-de-cristaos/

https://exateus.com/2016/03/10/anticristo-obama-quer-presidir-a-onu-para-entregar-jerusalem-aos-palestinos/

 Segue a matéria:

Tailandês terá o trabalho de monitorar violações e denunciar a discriminação.

Julio Severo

O Conselho de Direitos Humanos da ONU nomeou Vitit Muntarbhorn da Tailândia como o primeiro investigador da ONU encarregado de investigar políticas “homofóbicas,” inclusive “violência” e “discriminação” com base na orientação sexual e identidade de gênero.

Vitit Muntarbhorn era um dos membros da Comissão de Inquérito para os Crimes na Síria e já atuou em investigações na Coreia do Norte.

Essa iniciativa é o resultado de uma resolução pioneira apresentada naONU por um governo socialista brasileiro do passado.

A nomeação de Muntarbhorn está sendo celebrada e louvada por ativistas homossexuais no mundo inteiro. A ILGA (Associação Internacional de Gays e Lésbicas) disse: “Para nós, é particularmente apropriado que ele seja nomeado para essa posição no aniversário de dez anos dos Princípios de Yogyakarta que ele ajudou a co-presidir em 2006. Pelo fato de que a ILGA realizará sua 28ª Conferência Mundial na Tailândia no final deste ano, parece muito apropriado que comemoremos isso na pátria dele enquanto ele assume esse novo posto.

Os Princípios de Yogyakarta promovem a agenda gay usando a retórica ideológica de direitos humanos, orientação sexual e identidade de gênero. Além de ter sido o co-presidente de Yogyakarta, Muntarbhorn foi assessor técnico do Programa de Desenvolvimento da ONU sobre questões LGBTQ na Ásia.

Entretanto, nem todos estão celebrando. A revista Istoé disse que a nomeação recebeu críticas duras da Rússia e acrescentou: “Mas diversos governos já indicaram que vão fazer de tudo para impedir o trabalho do relator. Durante a semana, Moscou acusou a iniciativa de ser um desperdício de dinheiro. ‘Isso se trata da vida privada das pessoas e não precisa de um sistema de proteção particular,’ disse o Kremlin. A diplomacia de Vladimir Putin também deixou claro que não estava satisfeita com a maneira pela qual a ONU tem lidado com a questão de direitos humanos. Alexey Borodavkin, embaixador russo na ONU, disse esperar que investigações como a de Muntarbhorn ‘levem em conta a tradição e a religião’ de um país.”

O atentado numa boate homossexual de Orlando, o qual foi cometido por um terrorista islâmico, vem sendo usado como o exemplo mais importante de que os homossexuais precisam de proteção e intervenção da ONU. Aliás, esse exemplo foi especificamente mencionado durante a nomeação de Vitit Muntarbhorn, que estabelecerá contatos com ativistas e organizações LGBT no mundo inteiro e se envolverá com governos e a sociedade civil para fazer recomendações para combaterem a “violência” e a “discriminação” contra os homossexuais.

Ainda que a missão do investigador da ONU use palavras sobre combater a “violência” e a “discriminação,” as mesmas palavras têm sido usadas no mundo inteiro para forçar o “casamento” homossexual, uso de banheiros femininos para homens transgêneros, “direitos” LGBT de impor doutrinação homossexual para crianças nas escolas e muito mais.

O investigador da ONU tem a missão de coletar relatórios e queixas de grupos e indivíduos homossexuais do mundo inteiro e ele usará então essas queixas junto com o arsenal total do Escritório do Alto Comissário de Direitos Humanos da ONUpara pressionar governos a revogar suas leis que protegem o casamento, a família, as crianças e os valores religiosos e culturais.

Tipicamente, grupos e indivíduos homossexuais no mundo inteiro tratam como “violência” e “discriminação” todo esforço para barrar um desfiguramento legal do casamento e tentativas de proibir a doutrinação homossexual nas crianças. O Rev. Scott Lively, um pastor pentecostal, vem sendo legalmente perseguido porque grupos homossexuais, com a assistência da máquina legal socialista de George Soros, interpretaram que sua pregação contra a homossexualidade equivale à violência. Eles estão acusando Lively de “Crimes contra a Humanidade”! O investigador da ONU concederá vitória para os ativistas anti-Lively e rotulará pastores, padres e pregadores como “Criminosos contra a Humanidade”?

A Rússia foi vigorosamente condenada, marginalizada e isolada pelo governo dos EUA e pela União Europeia desde a aprovação de uma lei russa que proíbe propaganda homossexual para crianças e adolescentes. O investigador da ONUoficialmente condenará como “criminosos,” “violência” e “discriminação” os esforços russos para proteger suas crianças e adolescentes contra a propaganda homossexual?

Em 2011, o PayPal fechou minha conta definitivamente, depois de uma campanha orquestrada pela organização homossexualista americana AllOut. Para mim, o PayPal explicou que estou desqualificado para receber doações de meus amigos e leitores porque “você não é uma organização registrada sem fins lucrativos”. Para AllOut, o PayPal explicou que fechou minha conta porque “Levamos muito a sério quaisquer casos em que um usuário incitou ódio, violência ou intolerância por causa da orientação sexual de uma pessoa.” Meu caso foi denunciado em manchete pelo WND (WorldNetDaily) na reportagem “PayPal coloca Julio Severo na lista negra.” Meu caso foi noticiado também na época por uma TV católica nos EUA (neste link:https://youtu.be/fSSjmMwQNn4) O ChristianPost, uma das maiores mídias evangélicas dos EUA, também fez cobertura televisiva do meu caso (neste link:https://youtu.be/oZ8fzSkiB5A)

O investigador da ONU não só ficará do lado de AllOut, mas também recomendará a mesma negação de serviços de transação financeira aos cristãos como castigo por sua “homofobia” — opiniões bíblicas opostas às práticas homossexuais?

Esse cenário não é impossível de acontecer. No ano passado, os EUA nomearam o homossexualista Randy Berry como o primeiro embaixador mundial para promover a agenda homossexual. Sem demora, ele falou sobre a Rússia e a Arábia Saudita numa viagem ao Brasil. A revista Istoé lhe perguntou: “Os EUA criticam a Rússia por ser tão autoritária com as mulheres e os gays, mas, ao mesmo tempo, mantêm relações próximas com países como a Arábia Saudita, que faz pior. O sr. se sente constrangido com essa situação?”

Em sua resposta, Berry se absteve de condenar a ditadura saudita, que mata homossexuais. Ainda que a Istoé retratasse a Rússia numa luz ruim na questão homossexual, o único “crime” da Rússia é ter uma lei que proíbe a propaganda homossexual para crianças. É crime proteger as crianças de tal propaganda? Assim parece, pois o governo dos EUA tem usado todo esforço para condenar sistematicamente a lei russa, que não ordena a morte de homossexuais. Mas a Arábia Saudita tem sido poupada de tais condenações sistemáticas americanas por assassinar homossexuais.

Se até mesmo os EUA não têm sido justos e honestos nas questões que envolvem a agenda gay, como é que a ONU poderia ser mais justa e honesta?

A nomeação do investigador da ONU foi aprovada por nações socialistas, inclusive nações membros do “Principal Grupo LGBT,” um grupo dentro da ONU de onze país comprometidos em realizar “ações conjuntas” para promover direitos LGBT. O “Principal Grupo LGBT,” liderado pelos EUA, é composto pela União Europeia, Israel e Brasil.

Desde o atentado na boate homossexual de Orlando, o governo de Obama, com o arsenal total do governo dos EUA, e o “Principal Grupo LGBT” vêm pressionando aONU para liderar uma campanha para avançar a agenda gay no mundo inteiro. A nomeação de um investigador da ONU é resultado do esforço deles.

O atentado de Orlando deveria ser usado pelo governo dos EUA para pressionar aONU a condenar a violência islâmica mundial, mas está sendo usado para construir uma máquina legal mundial para atormentar e censurar opiniões morais e cristãs opostas à conduta homossexual.

Com informações de Istoe, ILGA, Human Rights Campaign e Observatório Internacional da Família.

Versão em inglês deste artigo: UN Appoints First Investigator on LGBT “Discrimination”

[FONTE: http://www.juliosevero.com]

Pais marcam protesto contra uso de saia por alunos em colégio do RJ

Pais marcam protesto contra uso de saia por alunos em colégio do RJ

Por Leiliane Roberta Lopes / GospelPrime

Pais de alunos do colégio federal Pedro II, no Rio de Janeiro, farão neste sábado (1º) uma manifestação contra a decisão da reitoria que acaba com a distinção de uniformes entre alunas e alunos.

Para Luciana Duarte, 36 anos, mãe de um aluno de 14 anos e integrante do movimento Mães pela Escola Sem Partido, o problema não é a saia, mas sim a ideologia de gênero pregada com essa decisão.

“O problema não é a saia. É a ideologia de gênero que está sendo enfiada goela abaixo dos alunos e dos país sem que tenha havido discussão sobre isso”, disse ela ao jornal O Estado de São Paulo.

Os pais dos alunos se comunicam através de um aplicativo de celular e criticam a postura da escola que tende para o lado dos movimentos sociais que defendem o feminismo e o movimento LGBT.

Aline Freitas, 41 anos, mãe de um aluno de 8, pretende tirar o filho da escola por conta dos debates promovidos que não são condizentes com a idade da criança.

“Para mim está sendo um pesadelo. Meu filho participou de um debate sobre o machismo e sobre estupro, quando houve aquele caso do estupro coletivo. Uma criança de 8 anos não é machista. Não quero que fiquem inserindo essas coisas na cabeça dele”, disse ela.

A mesma mãe também critica a adoção do nome social por alunos transexuais sem a autorização dos pais. “É uma afronta um adolescente poder mudar o nome na secretaria. É tirar a autoridade do pai e da mãe”, disse ela.

Colégio diz que a medida tem como objetivo a inclusão

O chefe de Supervisão e Orientação Pedagógica do colégio, Carlos Alexandre Duarte, defende o posicionamento da reitoria dizendo que a instituição não está negando a diferença entre homens e mulheres.

“O fim da distinção de gênero na especificação do uniforme não significa que o colégio esteja incentivando estudantes do sexo masculino a virem de saia”, afirma.

De acordo com Duarte, a decisão “é fruto de uma discussão ampla que ocorreu na comunidade escolar ao longo de mais de dois anos e que teve a participação dos estudantes”.

E se refere a um “saiato” promovido por alguns alunos em defesa a um menino que foi impedido de entrar na escola por vestir uma saia em 2014.

“O Pedro II não está negando as diferenças entre homens e mulheres. Na verdade, a medida visa à inclusão de uma parcela de nossos estudantes que são transgêneros”.

Mais sobre a Ideologia de Gênero aqui:

https://exateus.com/2016/07/09/refutando-a-ideologia-de-genero-atraves-da-biologia-e-estatisticas/

https://exateus.com/2016/03/26/colegiado-americano-de-pediatria-aponta-os-efeitos-nocivos-da-ideologia-de-genero-na-saude-fisica-e-mental-de-criancas-e-adolescentes/

https://exateus.com/2016/06/04/alunos-recebem-cartilha-evangelica-contra-ideologia-de-genero/

https://exateus.com/2016/05/25/inacreditavel-criancas-estao-sendo-recrutadas-para-se-identificarem-como-transgeneros-nos-eua/

https://exateus.com/2016/03/01/malafaia-e-procurador-denunciam-erotizacao-de-criancas-nas-escolas/

 

CRISTÃO PODE PERDER EMPREGO POR SE RECUSAR A PARTICIPAR DE ‘TREINAMENTO LGBT’

Ele compartilhou que tem amigos gays e lésbicas, mas que não exerce nenhuma inimizade contra alguém. (Foto: Reprodução).

A carreira de 14 anos de um cristão está sendo ameaçada porque ele se recusou a assistir um vídeo de treinamento sobre “diversidade e inclusão” para lésbicas,homossexuais, bissexuais e transgêneros.

Em abril desse ano, a Administração da Segurança Social dos Estados Unidos anunciou que todos os funcionários deveriam ser treinados em “diversidade e inclusão” LGBT.

Empregado como servidor de tecnologia da informação há muitos anos, David Hall considera a homossexualidade como algo não saudável ou bom para as pessoas cristãs e acredita que o “treinamento” era contra suas crenças.

O homem de 42 anos foi informado por seus superiores que ele deveria ver um vídeo de 17 minutos que inclui “dicas para aumentar a consciência cultural em um ambiente diverso e inclusivo”.
Então David recusou, explicando que tal treinamento apoia um comportamento pecaminoso. “Eu não vou concordar com este pecado”, explicou. Pelo fato de ter recusado a participar do treinamento da agenda gay americana, David foi repreendido oficialmente e depois suspenso sem pagamento de salário.

David explicou que acredita que o treinamento era basicamente “propaganda homossexual” e disse que a Primeira Emenda em exercício da religião lhe deu o direito constitucional de não participar do treinamento que ele considera como “abominação”.

Ele compartilhou que tem amigos gays e lésbicas, mas que não exerce nenhuma inimizade contra alguém. Ele não discrimina ninguém, mas a “diversidade do treinamento” no desvio sexual ia contra suas crenças religiosas.

Uma posição mais forte

Ele percebe que pode perder o emprego, mas acredita que os cristãos devem tomar uma posição contra a agenda gay que está varrendo a nação. “Isso é algo que eu quero lutar e expor, para dar a outros cristãos a coragem de suas convicções”, disse ele, acrescentando que vários funcionários se sentem da mesma forma, mas têm “medo”.

“David Hall é um herói” disse o presidente da organização “Americans for Truth”, Peter LaBarbera, para o site LifeSiteNews. “Ele está absolutamente correto: sessões e filmes LGBTs sobre a diversidade não são verdadeiramente ‘diversificadas’ porque desrespeitam ou ignoram pessoas que são baseadas pela fé e que tem oposição moral ao homossexualismo e transexualismo”, pontuou.

“David também está correto ao dizer que o ‘treinamento’ é pura propaganda, destinada a legitimar um movimento pecaminoso”, acrescentou LaBarbera.

“Ironicamente, as pessoas estão sendo demitidas e disciplinadas simplesmente por se recusarem a dobrarem sua fé para apaziguarem uma ideologia que pretende ser soberana. Vejam só! Não há discriminação!”, protestou. “Pessoas como ele estão dispostas a sofrer por amor para dar liberdade a todos nós”, finalizou.

Via Guia-me

ONU LGBT: OMS VAI DECLARAR QUE SER TRANSGÊNERO NÃO É DOENÇA: É NATURAL

Para a comunidade médica mundial, parece ser consenso que nenhuma orientação sexual é doença. Desde 1973, quando a Associação Americana de Psiquiatria retirou a homossexualidade da lista de transtornos mentais ou emocionais, sua decisão foi seguida por todas as entidades de psicologia e psiquiatria no mundo.

Isso deu um apoio sem precedentes para os ativistas, que passaram a ver fortalecida sua agenda, hoje quase uma normativa dentro das Nações Unidas e órgãos ligados a ela.

O próximo alvo é retirar os casos de pessoas transgênero da lista de doenças mentais. O primeiro passo concreto para isso foi dado pela Dinamarca, que fará isso em 2017, após decisão tomada pela Comissão de Saúde do Parlamento dinamarquês.

Tal iniciativa já influencia a decisão a ser tomada em breve pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que ainda inclui o transgênero na categoria de doenças. Subordinada à ONU, a OMS está sendo pressionada pela Anistia Internacional e associações de defesa dos direitos do LGBT.

A nova Classificação Internacional de Doenças (CID), publicado pela OMS, deve ser lançada em maio de 2018. Ela influencia o tratamento das pessoas em todo o mundo. A decisão de retirar a transgeneridade deverá causar impacto na aceitação por parte da sociedade e na luta por direitos dessas pessoas.

A próxima edição do CID deverá ter uma seção dedicada exclusivamente a condições que não são mais consideradas distúrbios, mas exigem algum tipo de intervenção médica. Com isso, a OMS espera garantir de que os transgêneros continuem recebendo tratamento de redes públicas e particulares.

Segundo o jornal The New York Times, um novo estudo pressiona a mudança da antiga designação.

Geoffrey Reed, psicólogo que coordenou o grupo que discute transtornos de saúde mental e de comportamento para a nova publicação da OMS, explica que um estudo conduzido por ele foi feito no México. A maioria dos entrevistados afirma que sentiu desconforto com a identidade de gênero durante a adolescência.

A maioria dos que se sentiram incomodados ou disfuncionais no trabalho, lar ou escola, atribuía isso ao modo como eram tratados – sendo rejeitados ou atacados– mais do que com a identidade de gênero em si. Agora, estudos similares estão sendo conduzidos no Brasil, na Índia, no Líbano, na África do Sul e na França.

A condição emocional resultante da insatisfação do indivíduo transgênero atualmente é chamada de “disforia de gênero”. Ela exige intervenção especializada para adaptar o corpo do paciente à imagem que ele tem dele mesmo.
Estudos contraditórios

Joshua Safer, médico endocrinologista que comandou uma pesquisa da Escola de Medicina da Universidade de Boston, defende que “a identidade de gênero é um fenômeno biológico”, que teria possíveis origens biológicas. Sendo assim, não poderia ser “suprimida” através de uma intervenção psicológica.

Ele cita outro estudo, da Universidade de Medicina de Viena, de 2008, que apontou como possível causa o gene CYP17, o qual está relacionado com níveis elevados dos hormônios sexuais estradiol, progesterona e testosterona.

Em 2011, uma equipe de pesquisadores da Suécia, ligados ao Instituto Karolinska e a Universidade de Gothenberg, publicou um estudo sobre 324 pessoas que passaram por esse tipo de cirurgia entre 1973 e 2003. Após acompanhá-los por 11,4 anos, em média, constatou que homens e mulheres que mudaram de sexo tinham taxas de mortalidade três vezes maiores que a média nacional. O suicídio era a principal causa. Com informações de Christian Headlines

Por Jarbas Aragão – Gospel Prime