Paulinho da Força Sindical “Temeriza” e trai o movimento de Greve Geral do dia 30/06

Seguindo a “apelos” do governo Temer o não confiável Paulinho da Força Sindical resolveu tirar sua Central da participação da Greve Geral do dia 30 de junho! assistam:

Anúncios

Por ampla maioria e na calada da noite, em dia de tragédia nacional com o time de futebol da Chapecoense, Câmara aprovou emenda em reação a Operação Lava Jato devido a delação da Odebrecht!

Câmara dos Deputados também aprovou punição a juízes e Ministério Público.

15219574_10154088354707816_8428310752549837877_ndf

URGENTE: Depois de o presidente Michel Temer anunciar um acordo com o Congresso para não aprovar uma anistia ao caixa 2 (movimentação irregular de recursos de campanha), a Câmara dos Deputados aprovou nesta madrugada outra proposta polêmica, tida como reação a Operação Lava Jato.

Ao apreciar o pacote com medidas anticorrupção apresentado pelo Ministério Público Federal, os deputados aprovaram (por 313 votos a 132) uma emenda criando novas previsões de crimes de abusos de autoridade. Mais

https://exateus.com/2016/10/29/odebrecht-entrega-serra-r-23-milhoes-em-conta-secreta-na-suica-fim-da-linha-para-jose-serra/

Odebrecht e OAS entregam Aécio sem pena na delação – STF determina quebra de sigilo do Banco Rural em inquérito contra Aécio Neves

‘Paladinos da ética’ estão no listão da Odebrecht ocultada por Moro

Pânico em Brasília com a chegada do ‘apocalipse’: Marcelo e mais de 50 da Odebrecht fecham delação – Renan Calheiros temendo ser preso parte para guerra contra Sergio Moro!

O fim do Golpe? Assim como Romero Jucá, Renan Calheiros e José Sarney, Michel Temer também foi gravado por Sérgio Machado

Romero Jucá derruba discurso do impeachment e escancara razões do golpe; Crise se agrava e Romero Jucá pede licença

A proposta prevê que juízes, promotores e procuradores que procederem “de modo incompatível com a dignidade e decoro de suas funções” podem ser condenados a penas de seis meses a dois anos.

Mesma punição pode ser aplicada a quem expressar na imprensa opinião sobre processos ainda em curso, entre outras condutas.

Antes, os deputados aprovaram o texto-base do pacote anticorrupção, prevendo a criminalização do caixa dois com pena de prisão de 2 a 5 anos, mais multa.

No total, 15 emendas serão apreciadas nesta madrugada. Após votação da Câmara, o Senado ainda vai apreciar as propostas. [Foto: Agência Câmara / BBC Brasil ]

 

Câmara comemora...

Por 313 votos a favor e 132 votos contra, a Câmara dos Deputados aprovou, às 01:23 da manhã desta quarta (30), uma emenda às “10 medidas contra a corrupção” (aprovadas por 450 votos a favor e 1 contrário) que define a previsão de “crimes de responsabilidade” para juízes e membros do Ministério Público.

A ampla votação dos deputados a favor da medida não tem a preocupação de garantir que todos sejam atingidos pela lei. O projeto das “10 medidas contra a corrupção”, juntamente com a emenda aprovada, segue para votação no Senado, ainda sem data prevista. [Via: ILISP] – Atualização: veja aqui a lista completa de votos por deputado e partido.

Odebrecht entrega Serra: R$ 23 milhões em conta secreta na Suíça. Fim da linha para José Serra?

Odebrecht: caixa 2 para Serra teria sido pago em contas na Suíça.

Executivos da Odebrecht afirmaram que o ministro das Relações Exteriores, José Serra, recebeu R$ 23 milhões da empreiteira.

Chega ao fim a carreira política do chanceler brasileiro José Serra; manchete da Folha desta sexta-feira informa que, em seu acordo de delação premiada, a Odebrecht revelou como pagou R$ 23 milhões ao candidato tucano à presidência da República, em 2010, numa conta secreta na Suíça; executivos da empreiteira prometeram entregar os recibos dos depósitos de um valor que, corrigido pela inflação, hoje seria de R$ 34,5 milhões; Serra foi um dos principais articuladores do impeachment da presidente Dilma Rousseff e, no gabinete de Michel Temer, pretendia se credenciar para chegar à presidência da República, mas foi o primeiro cacique abatido na nova fase da Lava Jato; sua continuidade no cargo é insustentável. Saiba mais:

https://exateus.com/2016/10/18/odebrecht-e-oas-entregam-aecio-sem-pena-na-delacao-stf-determina-quebra-de-sigilo-do-banco-rural-em-inquerito-contra-aecio-neves/

https://exateus.com/2016/03/25/paladinos-da-etica-estao-no-listao-da-odebrecht-ocultada-por-moro/

https://exateus.com/2016/10/25/panico-em-brasilia-com-a-chegada-do-apocalipse-marcelo-e-mais-de-50-da-odebrecht-fecham-delacao-renan-calheiros-temendo-ser-preso-parte-para-guerra-contra-sergio-moro/

https://exateus.com/2016/05/27/o-fim-do-golpe-assim-como-romero-juca-renan-calheiros-e-jose-sarney-michel-temer-tambem-foi-gravado-por-sergio-machado/

https://exateus.com/2016/05/24/romero-juca-derruba-discurso-do-impeachment-e-escancara-razoes-do-golpe-crise-se-agrava-e-romero-juca-pede-licenca/

size_960_16_9_2016-05-12t014523z_1112892740_s1betdnnctab_rtrmadp_3_brazil-politicsvc

Não se sabe se será nas próximas horas, dias ou semanas, mas José Serra, atual ministro das Relações Exteriores, fatalmente perderá o cargo.

Ele é o primeiro grande nome da política brasileira cujo nome aparece na delação premiada da Odebrecht, cujo acordo foi fechado nesta semana.

De acordo com reportagem de Bela Megale, a Odebrecht revelou como pagou R$ 23 milhões ao candidato tucano à presidência da República, em 2010, numa conta secreta na Suíça, pelo caixa dois.

A operação foi articulada pelo ex-tesoureiro tucano Márcio Fortes e por Ronaldo Cezar Coelho, um banqueiro e político do PSDB tucano.

Os executivos da empreiteira também prometeram entregar os recibos dos depósitos de um valor que, corrigido pela inflação, hoje seria de R$ 34,5 milhões.

Serra foi um dos principais articuladores do impeachment da presidente Dilma Rousseff e, no gabinete de Michel Temer, pretendia se credenciar para chegar à presidência da República, mas sua continuidade no cargo é insustentável.

Em breve, ele deverá ser denunciado pela procuradoria-geral da República e Michel Temer, que também deve aparecer na delação da Odebrecht, não terá como mantê-lo no Itamaraty.

Procurado pela reportagem, Serra disse que não comentaria supostos vazamentos de supostas delações. [FONTE: Brasil 247]

Pânico em Brasília com a chegada do ‘apocalipse’: Marcelo e mais de 50 da Odebrecht fecham delação – Renan Calheiros temendo ser preso parte para guerra contra Sergio Moro!

Resultado de imagem para marcelo odebrecht imagens

Comentário por APCNEWS

A prisão de Eduardo Cunha e agora a DELAÇÃO do Presidente da ODEBRECHT e seus 50 EXECUTIVOS, é a PREPARAÇÃO da OPINIÃO PÚBLICA para ter a ‘sensação’ de JUSTIÇA SENDO FEITA imediatamente antes de colocarem na cadeia a maior liderança da América Latina…

Estão preparando para LIMPAR o caminho retirando o PMDB do poder e dar passagem para os representantes da ELITE MUNDIAL no Brasil (PSDB) e alguns servirão como ‘BOI de PIRANHA’ PREPARANDO a OPINIÃO PÚBLICA para a PRISÃO de LULA.

Se está lendo isso e está tão NÉSCIO pela mídia que acha que sou a favor do Lula ou o defendendo, simplesmente JAMAIS me CONHECE ou me CONHECEU.

Se é o seu caso e chegou nesse nível de alienação, lhe afirmo: VOCÊ ESTÁ EM ESTADO DE COMA MENTAL e bem possivelmente ESPIRITUAL!

Não suporto mais o NÍVEL de IDIOTIZAÇÃO da POPULAÇÃO BRASILEIRA, sei que a grande maioria é COMPLETAMENTE MANIPULADA e muitas vezes por ser colocada na ‘CORRIDA dos RATOS’ não tem tempo para refletir…

Mas VOCÊ que tem acesso a internet podendo pesquisar, mas escolhe SER UM PERFEITO NÉSCIO é DEMAIS para MIM!

O Livro de Jeremias se CUMPRIRÁ CABALMENTE no Nosso País,  o povo vai se REVOLTAR sim, mas não agora, vai acontecer quando perceber que foi COLOCADO CANZIS NO SEU PESCOÇO…

Só que aí será tarde demais…

Se POR UM MILAGRE com essa repreensão ACABOU de DESPERTAR do seu ‘sono da morte’ ouça isso:

Marcelo e mais de 50 da Odebrecht fecham delação.

Após oito meses de negociação, Marcelo Odebrecht e mais 50 executivos da empresa fecharam seu esperado acordo de delação premiada com a Lava Jato; será a maior delação já feita no Brasil; quem viu o documento diz que as acusações atingem ‘de forma democrática’ líderes de todos os grandes partidos que estão no governo ou na oposição; do governo, foram citados Michel Temer, Eliseu Padilha, José Serra e Geddel Vieira Lima; como há muitos delatores, a investigação deve ouvi-los de acordo com a hierarquia na escala da propina; acredita-se que, com o novo conteúdo, outros delatores, como Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez, serão chamados para novos depoimentos para explicar casos de corrupção deliberadamente omitidos em suas delações, que envolvem o PSDB; ao que tudo indica, pouca coisa sobrará do atual sistema político brasileiro.

images-cms-image-000480589hgfds

247 – Após oito meses de negociação e muitos momentos de tensão, a operação Lava Jato e Marcelo Odebrecht fecharam o acordo de delação premiada da empreiteira, diz O Globo, citando uma fonte vinculada à investigação. Esta será a maior série de acordos de delação já firmados no Brasil. Além do ex-presidente da empresa, mais de 50 outros executivos prometem contar detalhes sobre o organizadíssimo esquema de corrupção do qual a companhia fez parte.

Os acordos, incluindo o de Marcelo Odebrecht, estão um tom abaixo da expectativa dos procuradores, mas ainda são abrangentes.

Como há muitos delatores, a investigação deve ouvi-los de acordo com a hierarquia na escala da propina. Acredita-se que, com o novo conteúdo, outros delatores, como Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez, serão chamados para novos depoimentos para explicar casos de corrupção deliberadamente omitidos em suas delações.

“Para pessoas com acesso à investigação, as acusações atingem ‘de forma democrática’ líderes de todos os grandes partidos que estão no governo ou na oposição. No caixa dois da Odebrecht não havia distinção partidária ou ideológica, diz essa fonte [que viu o acordo]. A regra era exercer o pragmatismo na guerra pelos melhores contratos com a administração pública.

Não vai ser o fim do mundo, mas são informações suficientes para colocar o sistema político em xeque — resume um dos envolvidos nas tratativas entre investigados, advogados e força-tarefa.

Os acordos de delação darão um novo impulso à Lava Jato, mas já criaram um problema estruturam para o Ministério Público Federal. Dez investigadores estão destacados para interrogar mais de 50 delatores. Um número, ainda não confirmado, indica a existência de 68 delatores. A tarefa é considerada longa e árdua. Pelos padrões da Lava Jato, um delator nunca presta menos que dez longos depoimentos. Alguns são chamados a prestar esclarecimentos mais de 50 vezes. Ou seja, não se sabe ainda quantos depoimentos cada investigador terá que conduzir.

Na falta de mão de obra, os delatores serão colocados numa fila. Eles serão ouvidos conforme sua relevância na hierarquia da propina.

Na fase preliminar das negociações do acordo, Marcelo Odebrecht e outros executivos citaram pelo menos 130 deputados, senadores e ministros e 20 governadores e ex-governadores. Do governo, entre os nomes citados estão o do presidente Michel Temer, e dos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), José Serra (Relações Exteriores) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo).

Executivos também detalharam pagamentos irregulares ao deputado cassado Eduardo Cunha e aos ex-ministros do governo Lula e Dilma Antonio Palocci e Guido Mantega, além do próprio ex-presidente Lula. [FONTE: Brasil 247]

Saiba mais:

https://exateus.com/2016/10/18/pec-241-e-a-plc-257-o-brasil-de-volta-a-escravidao/

Governo vai emprestar 30 bilhões de reais para o FMI, enquanto corta do povo pobre!

Auditoria Cidadã: A farsa da crise e do rombo da Previdência Social

GOLPE NO BRASIL: PREPAREM-SE PARA O GOVERNO DO ‘ESPINHEIRO’

Rede Globo libera Faustão para bater “nessa !@#$%^ desse governo” Temer!

O GOVERNO CAMALEÃO DE MICHEL TEMER

Michel Temer forneceu informações à inteligência dos EUA, segundo WikiLeaks

Enéas Carneiro falando sobre privatizações e manipulação da mídia- “bem atual”!

Renan Calheiros temendo ser preso parte para guerra contra Sergio Moro!

Renan Calheiros: “Um juizeco de primeira instância não pode atentar contra os Poderes”.

15070147uytre

“Um juizeco de primeira instância não pode atentar contra os Poderes”

E tem mais:

“O ministro da Justiça não tem se portado como ministro de Estado. No máximo, tem se portado como um chefete de polícia.”

Renan está desesperado! O chefe da Polícia Legislativa foi preso. Ele atuava como capanga do senado e vai falar tudo.

Eduardo Cunha também promete jogar mer@# no ventilador.

Até o momento, o presidente do senado é alvo em 12 inquéritos no STF.

Ele também aparece em áudios gravados pelo seu ex-parceiro Sérgio Machado [ex-presidente da Transpetro ] criticando a Operação Lava Jato e xingando o Procurador Geral da República de ‘?mau caráter”

Renan Calheiros está declarando guerra contra todos os poderes […] e vai perder! [FONTE: PLANTÃO BRASIL]

Porque Eduardo Cunha corre para votar o impeachment?

Por APCNEWS

Panama Papers: Investigação descobre novas contas secretas da Odebrecht.

‘Panama Papers’ atingem políticos de ao menos sete partidos brasileiros: PDT, PMDB, PP, PSB, PSD, PSDB e PTB são as legendas cujos integrantes aparecem na lista.

Reprodução da Veja online

Reprodução da Veja online

Reprodução da Veja online

Comentário: Apareceu mais uma prova contra Eduardo Cunha, confirmando que ele dono de uma offshore no Panamá que recebeu propinas do Petrolão. Mas muita gente acha que Eduardo Cunha corre com o impeachment por desejo de vingança contra o governo. É isso, mas tem muito mais. Se o impeachment acontecer, Cunha passa a ser o segundo na linha sucessória, e já tem uma estratégia para alegar no STF que passa a ter prerrogativas de vice-presidente. Com isso pretende atrasar seus processos no STF e na Câmara. Pode não levar, mas vai ganhar mais tempo. Se o STF não decidir pelo seu afastamento da presidência da Câmara, Cunha na Câmara vai conseguir arrastar seu processo até o final do ano (em janeiro tem recesso e em fevereiro há a nova eleição do presidente da Câmara).

 

Leia também: O que é o impeachment — e como fica o Brasil se acontecer?

O deputado federal Newton Cardoso (PMDB-MG). L. Macedo Ag. Cam.

Políticos de ao menos sete partidos brasileiros têm contas em empresas offshores no exterior abertas pela companhia panamenha Mossack Fonseca, especializada em camuflar ativos usando companhias sediadas em paraísos fiscais. PDT, PMDB, PP, PSB, PSD, PSDB e PTB são as legendas cujos integrantes aparecem na lista batizada de Panama Papers, onde constam milhares de nomes de titulares de offshores. Os documentos foram obtidos pelo Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo. No domingo, UOL, Estadão e Rede TV, veículos brasileiros ligados ao Consórcio, começaram a divulgar os nomes dos correntistas, com destaque paraexpoentes do PMDB: o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), e o senador Edison Lobão (MA) – ambos investigados pela Operação Lava Jato. Ao menos 57 brasileiros já relacionados à investigação da Polícia Federal aparecem nos documentos, ligados a mais de cem offshores criadas em paraísos fiscais. Cunha e Lobão negam a titularidade das empresas.

Ainda é cedo para saber o impacto que estes vazamentos – e os que virão nos próximos dias – terão no já convulsionado cenário político brasileiro, uma vez que não está claro se as offshores localizadas são irregulares ou não. Isso porque ter conta ou empresa no exterior não é um crime de acordo com a legislação brasileira, mas os valores e operações financeiras precisam ser informados à Receita Federal para a tributação devida. Ainda não se sabe se os citados nos Panama Papers declararam estes ativos em outros países às autoridades. Frequentemente este tipo de operação envolvendo offshores é utilizada para pagamento ou recebimento de propina e lavagem de dinheiro por parte do crime organizado, empresários e políticos corruptos.

Até o momento, o PMDB do vice-presidente Michel Temer foi a legenda com mais integrantes mencionados nos documentos da empresa panamenha. O fato é que, ao menos por enquanto, o PT e o Planalto podem respirar aliviados, uma vez que nenhuma offshore no exterior foi atribuída até o momento a seus correligionários.

Nesta segunda-feira vieram à tona os nomes de outros políticos com contas no exterior. Novamente o PMDB ocupa lugar de destaque entre os dados divulgados. O deputado federal Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG) e seu pai, o ex-governador de Minas Gerais Newton Cardoso teriam usado empresas offshores abertas com a ajuda da Mossack Fonseca para comprar um helicóptero com valor estimado em 1,9 milhão de dólares (cerca de 8 milhões de reais) e um flat em Londres ao custo de 1,2 milhão de libras (6,3 milhões em valores corrigidos). Em nota ao Consórcio de Jornalistas, a assessoria dos Cardoso negou “veementemente” a titularidade de empresas ou contas no exterior.

Luciano Lobão, filho do senador Edison Lobão, também aparece na relação do Panama Papers. Ele teria usado uma offshore para comprar apartamento em Miami no ano de 2013. O imóvel foi adquirido por 600 mil dólares, e vendido um ano depois por 1 milhão de dólares. A mulher de Luciano, Vanessa Fassheber Lobão, também aparece nos documentos como dona da empresa. Além de ser dono da VLF International, o filho do senador é sócio de uma empreiteira é responsável por obras do Programa de Aceleração do Crescimento no Maranhão – a Hytec.

O tucano Sérgio Guerra, morto em 2014, aparece nos documentos. Ele é citado também na Lava Jato.

O senador Lobão, que já é investigado pela Lava Jato por suspeita de ter sido beneficiado com o pagamento de propina para a construção da usina de Angra 3, aparece nos documentos vazados da empresa panamenha, mas suas supostas operações no exterior ainda não foram detalhadas. O que se sabe até agora corrobora parte da delação premiada de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras que disse à Justiça ter recebido ordens de Lobão para não “atrapalhar” um investimento do fundo de pensão da estatal petroleira no banco BVA. Um amigo do senador, José Augusto Ferreira dos Santos, é um dos donos do BVA, de acordo com o delator. Segundo os Panama Papers, Ferreira, por sua vez, é sócio de João Henriques, considerado operador do PMDB na Lava Jato, em uma empresa offshore e em uma conta na Suíça. A defesa do parlamentar afirmou ao jornalista Fernando Rodrigues, do UOL, que Lobão nunca foi acusado de ter contas ou empresas no exterior.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que é réu no Supremo Tribunal Federal por seu envolvimento na Lava Jato e é acusado pela Procuradoria Geral da República de ter contas secretas no exterior, aparece nos Panama Papers como titular de ao menos uma offshore. Trata-se da Penbur Holdings, supostamente controlada pelo parlamentar mas que usaria dois panamenhos como ‘testas de ferro’ de forma a ocultar seu nome dos documentos. O peemedebista teria contado com a ajuda do empresário David Muino, ligado ao BSI, para abrir as contas. Por meio de sua assessoria, Cunha negou ser proprietário de qualquer empresa offshore, negativa que tem sido repetida pelo deputado desde que as autoridade da Suíça enviaramdocumentos assinados por ele que provam o contrário. “O presidente Eduardo Cunha desmente, com veemência, estas informações. O presidente não conhece esta pessoa [David Muino, intermediário de uma companhia que se chama Stingdale Holdings Inc] e desafia qualquer um a provar que tem relação com companhia offshore”.

O tucano Sérgio Guerra, ex-senador e ex-presidente nacional do PSDB morto em 2014 também aparece na lista da Mossack Fonseca. Ele já foi citado por delatores da Lava Jato como destinatário de propinas relacionadas ao esquema de corrupção da Petrobras. Segundo os documentos divulgados nesta segunda, Guerra adquiriu uma empresa offshore com a mulher, Maria da Conceição, e um dos filhos, Francisco. As atividades financeiras da companhia não foram detalhadas. O PSDB afirmou que não iria comentar as acusações.

O ex-deputado João Lyra (PSD-AL) é outro político que utilizou uma empresa offshore para abrir e manter uma conta no banco suíço Pictet Asset Management. Lyra foi eleito deputado federal em 2010 pelo PTB, e posteriormente se filiou ao PSD. A declaração de bens entregue pelo parlamentar à Justiça Eleitoral no ano em que ele disputou o pleito não fala sobre os ativos no exterior, mas apenas o cruzamento destes dados com as informações da Receita podem apontar se houve de fato alguma irregularidade.

Paulo Octávio, ex-vice-governador de Brasília pelo PP, também é citado nos documentos. Ele teria usado uma offshore aberta com ajuda da Mossack Fonseca para comprar um apartamento de 2,9 milhões de dólares em Miami em 2011. A reportagem não conseguiu entrar em contato com o empresário.

Alguns políticos que aparecem no banco de dados dos Panama Papers divulgaram para o Consórcio os documentos informações de suas declarações de imposto de renda como forma de atestar que as offshores em seus nomes foram devidamente declaradas. É o caso de Paulo Octávio, que foi vice-governador de Brasília pelo DEM na gestão de José Roberto Arruda, em 2006; e Gabriel Junqueira Pamplona Skaf, filho do presidente da Federação das Indústrias de São Paulo, Paulo Skaf (PMDB).

FONTE: EL PAÍS BRASIL

EUA estão por trás da Lava Jato, investigação que paralisou projetos estratégicos

wikipedia-e-ag-brasil

Por APCNEWS

Uma reportagem da revista Época, do grupo Globo, mostrou inadvertidamente que os Estados Unidos estão ajudando Operação Lava Jato, ao menos dando subsídios de investigação.

A reportagem tenta criminalizar uma possível viagem do ex-presidente Lula para criar empregos no Brasil e ampliar internacionalmente o alcance da empreiteira Odebrecht.

A informação da ação dos EUA na Lava Jato está na reportagem “PF acha prova de que Lula, presidente, atendeu a pedido de lobista da Odebrecht”. O texto diz que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos recuperou dados da caixa de emails de Alexandrino Alencar, ex-diretor da Odebrecht, que foram entregues à força-tarefa brasileira:

“A caixa de e-mails de Alexandrino havia sido apagada, mas foi recuperada graças a uma investigação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, motivada pela Lava Jato. Os dados foram enviados à PF no início de março. “O e-mail supra aponta indícios de que Luiz Inácio Lula da Silva era incentivado a atender compromissos de interesse do Grupo Odebrecht ainda quando ocupava a cadeira de presidente”, diz o relatório da polícia enviado ao juiz Sergio Moro e obtido por ÉPOCA. O texto curto constitui um novo elemento na investigação sobre a suspeita de que Lula fez tráfico de influência para a Odebrecht – não só após deixar o cargo, mas desde que era presidente da República.”

A reportagem mostra a relação entre a investigação do juiz Sérgio Moro e dos promotores do Paraná, conhecida como República do Paraná, com o governo dos Estados Unidos. Sérgio Moro já foi classificado por publicação norte-americana como um nerd treinado nos Estados Unidos.

Há também nos EUA processos judiciais milionários contra a Petrobras, que poderão enfraquecê-la e levar milhões de dólares da petroleira brasileira para especuladores de fundos norte-americanos, chamados de abutres.

“Desde o início da Operação Lava Jato, o setor de engenharia brasileiro praticamente quebrou. A Odebrecht, sozinha, demitiu 70 mil funcionários e pode reestruturar dívidas de R$ 100 bilhões. Além disso, foram paralisados projetos estratégicos como a construção dos submarinos nucleares, a cargo da Odebrecht e do grupo francês DCNS, que visam patrulhar a fronteira marítima do Brasil, onde estão as reservas do pré-sal. Outra possível consequência da operação é abertura do pré-sal à exploração de grupos estrangeiros”, anotou reportagem do 247. (VejaTexto Integral). Com Informações de Carta Campinas