A resposta sincera de um ateu sobre a 2ª Lei da Termodinâmica

Resultado de imagem para termodinâmica imagens

A 2ª Lei da Termodinâmica também é conhecida como lei da entropia, que diz que com o tempo as coisas naturalmente se desfazem. Seguindo esse aspecto da lei, podemos perceber que o Universo teve um começo, pois a desordem do mesmo, indica uma ordem original. Uma vez que ainda se tem energia utilizável, o Universo não pode ser eterno, porque, se fosse, teríamos chegado na completa desordem (entropia) no presente.

Mais aqui:

https://exateus.com/2015/08/28/a-segunda-lei-da-termodinamica-e-o-comeco-do-universo

Norman Geisler (famoso apologista cristão) nos informa que em uma conversa informal com um professor de física que se declarava cético em relação ao começo do Universo  e materialista, fez a seguinte pergunta, seguindo o diálogo:

– Se a matéria é eterna, então o que você faz com a segunda lei? – perguntou ele ao professor!

– Toda lei tem uma exceção. Essa é a minha exceção.

– Se tudo é material – perguntou – então o que é a teoria científica? Além do mais, toda teoria sobre qualquer coisa material não é material; não é feita de moléculas.

– Sem hesitar por um momento, ele disse com certa ironia:

– A teoria é mágica.

– Mágica? – repetiu, Norman, não acreditando naquilo que estava ouvindo – Qual a base para você dizer isso?

– Fé – respondeu ele imediatamente.

“Fé na mágica”? Pensei comigo mesmo. “Se a fé na mágica é a melhor coisa que os materialistas têm a oferecer, então eu não tenho fé suficiente para ser materialista”!

O professor foi sincero, sabia que não poderia responder à fortíssima comprovação que apóia a segunda lei e, então, admitiu que sua posição não tinha base na comprovação ou na razão. Ao agir assim, ele deu mais um exemplo da falta de disposição em acreditar naquilo que a mente julga como verdadeiro e de como a visão dos ateus é baseada apenas na fé.

Referência

Não tenho fé suficiente para ser ateu. Norman Geisler & Frank Turek

Anúncios

Religião é só uma questão de fé? Não é bem assim!

A afirmação de que a religião é simplesmente uma questão de fé é apenas mais um mito moderno. Embora a religião requeira fé, religião não está ligada somente a fé. Os fatos também são fundamentais para todas as religiões, incluindo o ateísmo, e muitos desses fatos podem ser verificados por meio de investigação científica e histórica.

As principais religiões monoteístas (cristianismo, islamismo e judaísmo) afirmam que o Universo teve um começo, enquanto muitos ateus e panteístas (budismo e hinduísmo) dizem que o Universo é eterno. Essas afirmações são mutuamente excludentes. Um dos grupos citados está com a razão.

A famosa ressurreição de Cristo é outro exemplo. Os cristãos afirmam que Jesus ressuscitou ao terceiro dia de sua morte, enquanto os muçulmanos dizem que Jesus nem mesmo morreu. Mais uma vez têm-se aqui duas visões mutuamente excludentes. Como podemos saber qual delas é a correta? Avaliando à comprovação histórica de cada uma dessas afirmações.

A ciência também acaba abordando os mesmos assuntos religiosos, exemplos: De onde veio o Universo? Como surgiu a vida? Os milagres são possíveis? Em outras palavras, ciência e religião não são categorias opostas como muitos sugerem.

Logicamente, nem todas as afirmações religiosas podem ser comprovadas científica e historicamente. Todavia, a validade de muitas crenças religiosas pode ser verificada e provada com um alto grau de certeza.

Referência

Não tenho fé suficiente para ser ateu. Norman Geisler & Frank Turek

Argumentos a Favor da Existência de Deus – Argumento da Mudança

O mundo material que está ao nosso redor está em constante mudança. Um homem que possui a estatura de 1,80 m, nem sempre foi desse tamanho. A grande árvore que observamos em uma floresta, cresceu a partir de uma pequena semente.

O ser que sofre mudança começa somente com o potencial para mudar, mas precisa receber a influência de outras coisas fora de si para que esse potencial se concretize.

Nada pode mudar a si mesmo. Objetos que possuem vida, como os seres humanos e os animais são movidos pelo desejo, vontade ou instinto. Com a morte do ser-vivo, o corpo não mais se move, porque o desejo ou a vontade não está mais presente para iniciar o movimento.

Agora observemos essa cadeia: As outras coisas fora do objeto que sofre mudança também mudam, e os objetos que fazem estas coisas se moverem também estão se movendo, e isso implica que não importa quantos itens existem nessa série, cada um deles necessita de algo fora de si para concretizar seu potencial de mudança.

O Universo é a soma total de todos esses objetos móveis não importando quantos sejam. O Universo está em processo de mudança, e já concluímos que essa mudança exige uma força externa para torná-la real. Portanto, tem de existir algo além do Universo material, que é a soma total de toda matéria, do espaço e do tempo que é a fonte da mudança, algum Ser real que transcende o universo, e essa é uma característica que consideramos quando pensamos em Deus, ou seja, Deus é a fonte imutável da mudança.

Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.” Tiago 1.17

Referência 

Manual de Defesa da Fé. Peter Kreeft & Ronald K. Tacelli

 

Bíblia x Ciência: Físicos debatem tempo de criação do mundo

Bíblia x Ciência: Físicos debatem tempo de criação do mundo

Quando os Teólogos querem adaptar Deus à Teoria dos homens (deveria ser o contrário) saem essas coisas esquisitas que ninguém entende! Por isso que Caio Fábio disse que não participa mais dessas Conferências, eis aqui algo mais esclarecedor:

https://exateus.com/2016/03/20/como-o-universo-pode-ser-jovem-como-pregam-boa-parte-dos-criacionistas-se-as-distancias-entre-as-estrelas-podem-chegar-a-ate-12-ou-15-milhoes-de-anos-luz/

_____

Entre os dias 20 e 21 de maio acontecerá em Brasília a III Conferência Internacional Ciência e Fé, evento que irá discutir sobre o tempo de construção do mundo.

Pesquisadores que trabalham na construção de uma teoria única que une o tempo científico e religioso estarão nessa conferência que tem como tema: A Cosmologia Moderna e a Bíblia.

O evento é promovido pelo Instituto Hayah, ligado ao Ministério Sara Nossa Terra, e será realizado na Universidade de Brasília e no Campus Arena, espaço de eventos da igreja.

Durantes esses dois dias acontecerão palestras e debates sobre elementos bíblicos e as evidências científicas que permitem estabelecer equivalência entre os dois tempos. Pela Bíblia, o mundo foi criado em 6 dias, para a ciência, foram 14 bilhões de anos.

O bispo Robson Rodovalho, teólogo, graduado em filosofia e Ph.D. em Física Quântica e Espiritualidade pela Universidade Cristã da Flórida, será o anfitrião dos palestrantes convidados.

Para ele, que além de ser presidente da Sara Nossa Terra também preside o Instituto Hayah, o conflito entre os tempos de criação do mundo é apenas aparente.

“O universo está em constante expansão. Então, como na Bíblia o tempo de criação do mundo foi contado de trás para a frente, do Big Bang em diante, chegou-se a um resultado de seis dias. Só que, desde então, o universo se expandiu e continua se expandindo – sua expansão é constante e infinita. Quando a Cosmologia conta o tempo, começa em sentido inverso ao da Bíblia, da frente para trás, dos dias de hoje até chegar ao Big Bang. Essa conta deu 14 bilhões de anos. Matematicamente já é possível concluir que esses dois números são equivalentes”, diz Rodovalho.

Os palestrantes da III Conferência Internacional Ciência e Fé são:

– Antonio Delson de Jesus, Doutor em Mecânica Espacial e Controle pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), pós-doutorado em Detritos Espaciais pelo Insituto di Scienza e Tecnologie dell’Informazione A. Faedo e professor titular da Universidade Federal de Feira de Santana (BA).

– Gerald Schroeder, Ph.D em Física Nuclear e Ciências Terrestres e Planetárias pelo MIT (Massachussets Institute of Technology), professor da Faculdade e Seminário Judaico Aish HaTorah, com sede em Jerusalém.

– Linnyer Beatrys, teóloga, doutora em Ciência da Computação pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e Coordenadora do Projeto Internacional de Nanotecnologia – Engenharia de Computação Invisível a Serviço da Vida.

As inscrições para a conferência custam R$ 100 para os dois dias e podem ser feitas pelo siteconferenciasbrasil.com.br.

Após anos de estudos, ateu se converte por meio da matemática

Muitas pessoas tratam a Deus como objeto de piada, e um deles foi Douglas Ell. Criado por uma família cristã, Douglas rotulou a si mesmo como “ateu” na adolescência, quando mergulhou de forma intensa nos estudos sobre ciência.

Anos mais tarde, Ell desenvolveu seus conhecimentos científicos na carreira acadêmica: após ingressar nos cursos de matemática e química do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, ele entrou para a Universidade de Maryland a fim de obter um mestrado em matemática teórica.

3614084124-douglas-ell

 

Apesar de seu grande talento no assunto, as oportunidades de emprego na área também ficaram na teoria, e Ell resolveu trabalhar como programador de computadores. Anos depois, sua carreira profissional deu um salto depois que ele ingressou na faculdade de direito.

Ell alcançou realizações notáveis, e se tornou um advogado reconhecido nacionalmente diante de corporações e sindicatos. Em seu tempo livre, claro, Ell analisava conceitos que confirmavam a inexistência de Deus.

No entanto, surgiu um pequeno inconveniente para o ateísmo de Ell: seu filho. Depois da paternidade, ele tomou a decisão levar a família à igreja por entender que isso fazia parte de uma “cultura”. Ell e sua esposa passaram a ser membros de uma igreja local, tratando as reuniões como um clube social.

Apesar disso, a fácil paz interior que os cristãos ao seu redor sentiam causava uma certa confusão em Ell. Isso o despertou a voltar a ler sobre ciência, assim como na adolescência, mas com um foco diferente: a religião.

É esperado constatar que a ciência e a fé são como opostas como óleo e água — mas Ell ficou surpreso ao descobrir o contrário. Depois de uma intensa rotina de estudos, ele descobriu que o cristianismo é ligado à ciência por sete maneiras distintas:

1. A evidência do início do universo

2. A aparente “excelente sintonia” do universo

3. A complexidade específica da vida, e a falta de qualquer explicação razoável por sua origem

4. A futurista natureza da vida tecnológica

5 A evidência contra a evolução neodarwiniana

6. A natureza única e especial da Terra

7. A linguagem universal da matemática

A formação de Ell na área jurídica o educou a construir argumentos convincentes e verídicos. A ciência passou a apontar para a existência de Deus, e finalmente, Ell reconheceu que o cristianismo é verdadeiro, levando aquilo que ouvia na igreja a sério.

Usando seu avançado conhecimento de análise matemática em combinação com a ciência, Ell desenvolveu cálculos de probabilidade que comprovam a existência de um universo projetado e ordenado.

As descobertas de Ell foram escritas em seu livro “Counting to God” (“Contando para Deus”, em tradução livre). Hoje, ele viaja pelos Estados Unidos falando sobre sua teoria de sete pontos, que relaciona Deus e a ciência.

FONTE: GUIAME

Evidências para uma Terra jovem

Existem pelo menos 200 geocronômetros (relógios terrenos / relógios do universo) que indicam que a Terra, o sistema solar, a galáxia e o universo são jovens, muito mais jovens para que a evolução das espécies seja possível.  Eis alguns exemplos:

Declínio rápido do campo magnético da Terra

Cometas de Curto período

O rápido recuo da Lua

Os anéis granulosos de Saturno e Urano

A existência do barrado espiral das galáxias

As taxas de erosão continental

A concentração salina nos oceanos

O acúmulo de cerca de 4.500 anos de sedimentos na nascente de todos os maiores rios.

A existência de tório 230 e urânio 236 na superfície da Lua

Carne e sangue fresco de dinossauro foram encontrados dentro de um osso de T. Rex

Existem poucas Supernovas no Universo

A ausência de Hélio na atmosfera da Terra.

O rápido crescimento das estalactites e estalagmites

A falta de camadas de solo  entre as camadas de rochas sedimentares

A existência de bilhões de fósseis poli-estratos nas camadas de rochas sedimentares

As galáxias giram muito rápido para terem bilhões de anos.

Referência

Criação x Evolução. Onde está a verdade científica? Dr. Grady S. McMurtry

O nada não pode produzir algo

O ponto de origem de um universo ateu centra-se em algo que não consegue explicar sua própria existência.  As leis científicas que os cientistas querem comprovar nem sequer existiam como categoria no princípio do Universo pois, conforme essas leis da ciência, a matéria não pode simplesmente “passar a existir” por si só.

O silencia ateísta é gritante acerca da razão de em vez do nada, existir algo. O filósofo  ateísta Bertrand Russel afirmou que o Universo “simplesmente existe”. Isso, obviamente, não é uma explicação científica.

De acordo com as leis científicas, nada do que existe pode explicar sua própria existência. O ateu Stephen Jay  Gould assevera:

“Devemos nossa existência a um estranho grupo de peixes cuja anatomia peculiar das nadadeiras permitiu que se transformassem em pernas para criaturas terrestres; aos cometas que se chocaram com a Terra e eliminaram os dinossauros, o que deus aos mamíferos uma oportunidade que não seria possível de outra forma ( por isso, agradece à sua estrela da sorte, literalmente). Existimos porque a Terra nunca se congelou completamente durante a era glacial, porque uma espécie pequena e frágil, surgida na África há 250 mil anos, conseguiu até aqui, sobreviver de um jeito ou de outro. Podemos ansiar por uma resposta “mais elevada”, mas não existe nenhuma […] Não podemos ler passivamente o sentido da vida nos fatos da natureza. Precisamos construir essas respostas nós mesmos, com nossa própria sabedoria e nosso sentido ético. Não há outro jeito”.

Gould acha sua argumentação bem “libertadora”, só que milhões de outras pessoas não se sentem livres quando a vida passa a ser  um ponto de interrogação.

No entanto, a argumentação de Gould se cala quando atribui à possibilidade do ser humano habitar o planeta Terra à colisões de asteróides que destruíram formas de vidas já existentes. De onde porém, vieram esses asteróides e cometas vieram? As respostas de pessoas como Gould dão aos problemas não explicados é “que agora não temos, mas um dia teremos a resposta” e as vezes as respostas aumentam ainda mais as lacunas.

A ordem toda do Universo, como existe agora,  não evoluiu, a ciência não apóia essa alegação. O nada não produz nada e nunca produziu.

Referência

A morte da Razão: Uma resposta aos neo-ateus.  Ravi Zacharias