Ditadura Islâmica: Vídeo de Exateus é censurado no youtube!

Antes eram só as monetizações que eram desativadas, quando o youtube julgava que algum conteúdo de vídeo não era “adequado”! E esse não “adequado” geralmente é quando se fala de algo relacionado ao Islã, ou a muçulmanos, islamismo etc! Desta feita eu apenas informei sobre o acontecimento da invasão que fez um grupo de hackers islâmicos ao site cristão libertar.in. Invadiram o site do irmão Marcos Goés e ainda colocaram dizeres que eles (islâmicos) chegaram no Brasil e que iriam tomar nossas mulheres e xingaram tanto cristãos como judeus de porcos sujos! Tudo em uma imagem negra sobressaindo à imagem do Brasil! Ou seja, aí o youtube disse que meu vídeo não é adequado, ora, adequado para eles é os nojentos do Estado islâmico fazerem o que quiserem dos cristãos! Eis aqui o vídeo censurado:

Eis os prints das advertências do youtube:

liber1

liber2

libert3

Anúncios

A falência da Rede Globo!

A Rede Globo vem perdendo publicidade devido à baixa audiência de vários de seus principais programas, dentre eles a Fórmula 1, o Desfile das Escolas de Samba do Rio de Janeiro e a tentativa de quebra de monopólio do Campeonato Brasileiro por parte dos clubes! Tentando uma saída a Rede Globo tenta abocanhar a operadora Oi mas para isso ela precisa que a Oi seja saneada através do Governo Têmer com o nosso dinheiro! Assistam a análise:

Mais:

FACEBOOK, MICROSOFT, GOOGLE E TWITTER SE UNEM PARA CENSURAR A INTERNET

Comentários por Libertar.in

Globalistas estão desesperados com a proliferação da verdade pela web e irão passar a censurar posts que contenham “discurso de ódio” (Ou seja, discursos que vão contra a agenda dos globalistas).

Em nome do politicamente-correto imperante, Microsoft, Google, Twitter e Facebook se unem para apagar e restringir mensagens consideradas ‘ofensivas’, uma espécie de ‪#‎HumanizaRedes‬ das empresas privadas.
Por enquanto é só na Europa, mas não deve demorar para que essa restrição chegue ao mundo inteiro.

A Comissão Europeia, braço administrativo da União Europeia, anunciou nesta terça-feira (31) que Facebook, Microsoft, YouTube (Google) e Twitter aceitaram seguir um manual de conduta para combater o discurso de ódio em suas plataformas.

Entre as várias medidas, as empresas se comprometem a analisar denúncias em menos de 24 horas e, caso necessário, removê-las ou barrar o acesso a elas. As regras valem para os 28 países que são membros da União Europeia.
saiba mais
UE expande ‘direito ao esquecimento’ a todo serviço na internet

A ação é uma tentativa de levar para o mundo online as ações aplicadas para conter manifestações racistas ou xenófobas em solo europeu no mundo offline.

Só que, como na internet, a maior parte das publicações são feitas em plataformas de empresas, a iniciativa deveria contar com a ajuda delas.

O manual de conduta foi criado para evitar que serviços conectados, como os oferecidos por essas empresas, sejam explorados por radicais religiosos, como os integrantes do Estado Islâmico, para disseminar propaganda terrorista ou por extremistas europeus, para divulgar mensagens preconceituosas, como, por exemplo, de cunho antissemita e antimuçulmana.

“A Comissão e as companhias de tecnologia reconhecem que espalhar discursos ilegais de ódio não só afeta negativamente os grupos ou indivíduos a que se dirigem como também impacta negativamente aqueles que pedem por liberdade, tolerância, não discriminação em nossa sociedade aberta e tem um efeito de congelamento do discurso democrático nas plataformas online”, informa a União Europeia.

Veja abaixo os termos de conduta que as empresas aceitaram seguir:

– As empresas se comprometem em rever toda notificação de que há publicações de discurso de ódio em suas plataformas; também incluirão dispositivos em suas regras de comunidade que proíbam claramente a incitação à violência e a promoção do ódio;

– Além de avaliar se os pedidos de remoção estão em desacordo com as políticas de uso de suas plataformas, as companhias terão ainda que averiguar se as publicações infringem alguma lei;

– As solicitações de remoção de postagens ofensivas deverão ser analisadas em menos de 24 horas;

– Facebook, Microsoft, YouTube e Twitter terão que criar meios de informar seus usuários sobre assuntos proibidos e poderão até enviar notificações para isso;

– As plataformas deverão fornecer informação para que órgãos governamentais de estatística criem bases de dados sobre a disseminação do discurso de ódio e sua remoção do meio digital;

– A Comissão Europeia e as empresas se esforçarão para identificar usuários que construam narrativas contrárias ao discurso de ódio para promovê-las e tornar seu alcance mais amplo.

Filme sobre a igreja perseguida é censurado no Youtube

Por APCNEWS

Departamento responsável pela decisão alegou que o material violou “orientações da comunidade”, por ter conteúdo impróprio.

Filme sobre a igreja perseguida é censurado no Youtube.

Cineastas cristãos estão questionando a retirada do Youtube de um pequeno filme recém-lançado sobre a perseguição religiosa no Oriente Médio.

Os criadores do vídeo “Chased” (“Perseguidos”) se manifestaram contra a decisão da plataforma de compartilhamento de vídeos, em remover seu filme de 33 minutos. O departamento responsável pela decisão alegou que o material violou “orientações da comunidade”, por ter conteúdo “impróprio”.

O filme apresenta a história fictícia de Anneliese, uma jovem cristã residente nos EUA, cuja família é perseguida por sua fé cristã.

Como o site do filme informa, a produção pretende mostrar como seria a vida dos cristãos nos Estados Unidos se eles fossem forçados a suportar a mesma perseguição vivida atualmente pelos cristãos no Oriente Médio.

O propósito do filme, o site acrescenta, é “[trazer] a história da perseguição religiosa para perto de casa”.

“Para muitos, a realidade da perseguição é um conceito abstrato. Embora possa ser desconfortável imaginar uma sociedade sem liberdade religiosa, esta é uma verdade muito pessoal para os 100 milhões de cristãos que lutam pelo direito de expressar sua fé em áreas religiosamente reprimidas”, lembrou o texto do site.

“‘Chased’ levanta a questão: ‘e se não existissem as nossas próprias liberdades religiosas?”, destacou.

download (16)

O Christian Post procurou o departamento responsável pela retirada do vídeo do ar no Youtube, para que a decisão fosse comentada, mas não recebeu uma resposta.

Emily Weaver, roteirista do filme, disse em uma entrevista ao The Blaze na semana passada que ela e outros criadores do filme estão buscando respostas a respeito do bloqueio do material.

“Estamos tentando obter uma resposta sobre por que o YouTube proibiu a veiculação do nosso curta-metragem que fala de fé, mas eles estão dizendo que o filme ‘viola os padrões da comunidade’”, explicou Weaver. “Parece que a arbitrariedade é bem viva no Youtube, pelo menos em nossa experiência”.

Vários outros cineastas cristãos concordam que o Youtube é arbitrário e utiliza de um método escuso para proibir spammers e conteúdos que considera inadequados ao site.

Em 2013, tanto o YouTube quanto o Facebook bloquearam temporariamente o filme “Unstoppable” (Imparável), do ator cristão Kirk Cameron (irmão da protagonista de “Fuller House” – nova série da Netflix -, Candice Cameron), devido as políticas destes sites contra “spam” e “conteúdos comercialmente falsos” (?!).

O filme, estrelado por Cameron e produzido em conjunto com a Liberty University, segue o personagem principal enquanto ele procura responder uma importante pergunta: “Por que Deus permite que coisas ruins aconteçam a pessoas boas?”.

“Se Deus é bom, por que há tanto sofrimento? Por que há tanta dor? Por que Ele permite o mal no mundo se poderia pará-lo?”, questiona o ator em vídeo que promoveu o filme, lançado em 2013.

Cameron, que já atuou em sitcoms conhecidos na década de 80 (sendo Growing Pains, da ABC, o mais famoso), conseguiu que Facebook e YouTube suspendessem seus bloqueios a “Unstoppable” depois de iniciar uma campanha online.

“Agora vamos ter certeza que nada irá impedir “Unstoppable” de chegar aos cinemas de sua cidade, em 24 de setembro. Compre seus ingressos hoje. Se vendermos todos os assentos no cinema de sua vizinhança, nada pode impedi-lo de ser exibido lá”, disse Cameron à época da campanha.

Apesar do bloqueio/censura no Youtube, o curta-metragem está disponível na plataforma concorrente, o Vimeo.

Assista (em inglês):

https://player.vimeo.com/video/155196214?title=0&byline=0&portrait=0

FONTES: Curiosidades / GOSPEL PRIME